Novak Djokovic: “Depois desta derrota, eu tive dúvida se continuaria no Tênis”

Foto: Facebook Oficial Novak Djokovic/Reprodução

Em entrevista surpreendente ao site Tennismash, publicada nesta quinta-feira (22), Djokovic conta que pensou em desistir do Tênis e fala de si e sobre seus ídolos.

Nas últimas temporadas, Novak Djokovic (1) dominou o circuito masculino de Tênis. Desde 2011, o sérvio ocupa a liderança do ranking e já conquistou onze títulos de Grand Slam, neste mesmo período de apenas seis anos (Nole só acumulava um título de Major até então, o do Australian Open em 2008)

Este ano, Nole caiu de rendimento e nos mostrou que até os mais fortes falham. Apesar dos títulos no Australian Open e do tão esperado em Roland Garros, o próprio sérvio assume que caiu de produção e perdeu um pouco do foco após sua vitória em Paris. Em entrevista concedida ao repórter Barry Wood do site Tennismash, o sérvio fez algumas revelações.

Confira abaixo algumas respostas do número um do mundo:

Pergunta: Quais as maiores qualidades que você aprecia em uma pessoa?

Resposta: Honestidade, generosidade e carinho.

P: O que mais lhe irrita?

R: Desonestidade e uma abordagem pessimista da vida.

P: O que você mais gosta em si próprio?

R: Normalmente não gosto de falar sobre mim. Isto é para outras pessoas, mas, se você insiste, eu sou otimista. Não só com o Tênis, mas também com tudo na vida. Eu vejo esperança e luz onde outros não conseguem enxergar.

P: O que você não gosta em si próprio?

R: Chegar atrasado. Eu preciso trabalhar nisto. E às vezes não ser realista quanto àquilo que posso ou não fazer na vida.

P: Qual foi seu melhor momento em quadra?

R: Eu diria que há três momentos que considero os melhores de minha carreira. O título na Copa Davis em 2010, Wimbledon 2011 e 2014, e a final do Australian Open 2012 contra Rafael Nadal, a maior da história dos torneios Grand Slam.

P: Qual foi seu pior momento em quadra?

R: Também existiram esses, mas eu prefiro lembrar dos bons momentos. O que eu mais me lembro foi a minha eliminação nas quartas de final de Roland Garros 2010 para Jurgen Melzer. Após esta derrota foi a primeira vez em minha carreira que tive dúvida e medo de seguir no Tênis. Foi um dos momentos cruciais de minha carreira.

P: Qual conselho você se daria no início de sua carreira?

R: Seja paciente. Paciência é uma virtude que poucas pessoas têm. Ser genuinamente positivo em relação ao Tênis e a tudo na vida.

P: Qual pessoa você mais admira?

R: Existem algumas. Richard Branson é um. Eu admiro muito um padre que conheci em uma ilha grega.

P: Como você gostaria de ser lembrado?

R: Como uma pessoa boa. Alguém que tenha usado seu sucesso para ajudar outras pessoas.