Ídolo do Peixe, Clodoaldo completa 67 anos neste domingo

Clodoaldo santos
Divulgação: Santos FC

Craque da bola e na defesa das cores do clube alvinegro, Clodoaldo nascido em 25 de setembro de 1949, há 67 anos nascia em Itabaianinha, Sergipe, Clodoaldo Tavares Santana ou simplesmente “Corró”, o herdeiro de Zito com a camisa 5 do Santos FC.

Leia mais:

CLODOALDO ELOGIA O DESEMPENHO DO SANTOS NA SEMIFINAL DO PAULISTA: “FOI UM RESULTADO JUSTO”

CLODOALDO, UM VOLANTE DE ALMA ALVINEGRA QUE FEZ HISTÓRIA NA SELEÇÃO

O site oficial do Santos, parabenizou Clodoaldo.“Um craque na defesa das cores santista, um jogador que se notabilizou no time da Vila pelo amor e dedicação em prol do clube praiano. Corró estreou na equipe principal do Santos, quando era um garoto imberbe de 16 anos no dia 05 de junho 1966 na partida amistosa jogada em Blumenau que terminou com a vitória do Peixe pelo placar de 2 a 0 diante do GE Olímpico Blumenau que teve Coutinho e Amauri marcando os tentos da vitória que teve a seguinte formação: Laércio; Oberdan (Zé Carlos), Mauro e Geraldino; Joel Camargo (Clodoaldo) e Haroldo; Amauri, Salomão, Coutinho (Wilson), Toninho (Del Vecchio) e Abel. O técnico era Luiz Alonso Perez, o Lula”.

Clodoaldo jogou no Alvinegro mais famoso do mundo 510 partidas e marcou 13 gols no período de 1966 a 1980, conquistando os seguintes títulos:

Campeão Brasileiro (1968), Campeão Paulista (1967/68/69/73 e 78), Campeão da Recopa Sulamericana e Mundial (1968) pela Seleção Brasileira, o raçudo camisa 5 jogou 55 partidas e marcou apenas 3 gols.

Clodoaldo santos
Divulgação: Santos FC

A última vez em que vestiu a camisa do Alvinegro Praiano foi no dia 26/01/1980 na Vila Belmiro em partida amistosa diante da Seleção da Romênia que terminou com a vitória do time romeno por 1 a 0 formando o Peixe com: Marolla; Nelsinho Batista, Joãozinho, Neto e Paulinho (Washington); Clodoaldo (Cláudio Gaúcho), Carlos Silva e Pita; Nílton Batata (Serginho), Aluísio (Rubens Feijão) e João Paulo. O técnico era José Macia, o Pepe.



Formada em jornalismo pelo Mackenzie, demorei anos para perceber que dá, sim, para ir atrás dos sonhos e trabalhar com o que se gosta: o esporte. Hoje me divido entre o esporte e a política. Nunca vou me conformar com os que dizem: "É só futebol.."