OPINIÃO: O absurdo da final em campo neutro na Libertadores

Libertadores
Crédito da Foto: Reprodução/Facebook Copa Libertadores da América

A Conmebol anunciou nesta terça-feira (27), uma série de mudanças para a próxima edição da Copa Libertadores da América, mas a que chamou mais a atenção foi a absurda decisão de colocar a final da competição em jogo único e campo neutro, ao contrário do que ocorre agora, quando acontecem duas partidas, uma na casa de cada finalista, com o de melhor campanha tendo a vantagem de decidir em seus domínios. 

LEIA MAIS:
LIBERTADORES 2017 TERÁ NOVIDADE RELACIONADA AO MÉXICO. SAIBA QUAL!

Muitos dizem que em final de Libertadores não tem vantagem para nenhum dos lados, devido ao equilíbrio e, de fato, agora não tem. Independente da campanha que a equipe fizer, ela não terá mais o direito de decidir em seus domínios, ao lado de sua torcida. O jogo fica totalmente equiparado, são 90 minutos que decidem, muitas vezes, a temporada inteira de um clube.

Além disso, perde totalmente a magia da Libertadores. Você consegue imaginar o Boca Juniors disputando uma final longe da La Bombonera? Longe de sua apaixonada torcida? Ou então o São Paulo longe do Morumbi? O Palmeiras, com um estádio novíssimo, ter que jogar em Lima, por exemplo? Isso irá acontecer, pois, em grande parte dos casos, não haverá a coincidência de um dos finalistas decidir em casa.

Mesmo com o método sendo semelhante ao que ocorre na Liga dos Campeões da Europa não dá para haver comparação. No Velho Continente é muito mais fácil para o torcedor se locomover de um país ao outro devido às dimensões territoriais de cada localidade, muitas vezes, é necessário apenas um trem para viajar, fora que o poder de compra dos europeus é maior. Na América do Sul, devido à sua extensão, as viagens costumam sair mais caras e não há infraestrutura de transportes para realização, afinal, o trajeto deverá ser feito, provavelmente, de avião, o que custaria caro, ou então, de ônibus, o qual ficaria cansativo, além do poder de compra ser menor, dado que a maioria dos países são sub-desenvolvidos ou estão em desenvolvimento.

Com isso, a decisão de colocar a decisão da Copa Libertadores da América em jogo único e campo neutro é completamente absurda, devido a aspectos econômicos, de infraestrutura e relacionados ao desempenho das equipes e também a tradição do torneio.