Mercado da bola 2016: Santa Cruz age contra o tempo para renovar com Keno

Keno
Foto: Divulgação/ Facebook Oficial Santa Cruz Futebol Clube

Santa Cruz age contra o tempo, para adquirir os direitos econômicos do atacante Keno, que pertence ao São José, do Rio Grande do Sul. O presidente da equipe coral busca parceiros e também com a verba recebida da Copa Sul-Americana, para pagar R$ 1 milhão ao time gaúcho com objetivo de ficar com 60% dos direitos econômicos do atacante e o mandatário do Santa explica em entrevista ao site “Super Esportes”.

LEIA MAIS:
MERCADO DA BOLA: SANTOS INICIA CONVERSAS PARA FECHAR COM KENO EM 2017
MERCADO DA BOLA 2016: PORTO E SPORTING ENTRAM NA DISPUTA COM SANTOS POR KENO

“O recurso da Conmebol vai dar uma saneada no clube e nos ajudar neste processo. Estamos em busca de fontes de receita por Keno. Tem gente nos procurando, empresários de fora do exterior foram contactados, mas esse momento de crise no clube, proximidade de eleição, greve dos bancários, estava nos dificultando”, justificou o presidente.

Alírio Moraes também explica que espera passar o clima do jogo do Santa Cruz pela Copa Sul-Americana, para retomar as conversas com os representantes do atacante Keno e prorrogar o contrato. O mandatário está confiante que o jogador irá ficar no Arruda por mais três temporadas.

“Não falei com os empresários do jogador nesta semana porque estava focado na liberação do recurso da Sul-Americana. Mas, passado o clima do jogo contra o Independiente (Medellín), naturalmente vamos retomar contato”, completou.

O Santa Cruz tem até esta sexta-feira, para comprar os direitos econômicos que é o prazo estipulado pelo São José para que a equipe coral define a renovação do atacante Keno. Caso contrário, os agentes do atleta irão ouvir o Botafogo, Santos, Porto e Sporting que já sondaram a situação do atleta e o mandatário mantém os pés no chão.

“O cenário para renovação nem é otimista, nem pessimista. Necessitamos estar com o recurso disponível até sexta-feira. Não tendo, pelo menos vamos garantir alguma participação em uma futura venda do atleta, na chamada ‘taxa de vitrine’, que nos garante cerca de 30% de uma venda dele. Um bom percentual”, completou Alírio.



Radialista, Jornalista com passagens como correspondente pelo site italiano CalcioNews24.com e pelo Arena Rubro-Negra. Atualmente setorista do Fluminense e Futebol Sul-Americano no Torcedores.com