Opinião: Reflexões sobre as mudanças da Libertadores no futebol sul-americano

Conmebol

Conmebol muda formatos de Libertadores e Sul-Americana já para 2017, e tem muito para ser discutido sobre essas mudanças.

O futebol sul-americano estará passando por profundas transformações a partir do próximo ano. Para quem ainda não sabe, a Conmebol anunciou uma série de mudanças no calendário do nosso futebol válidas a partir já do próximo ano, que afetarão diretamente a Libertadores e a Sul-Americana, e indiretamente a Copa do Brasil, a Primeira Liga, os Estaduais e a Copa do Nordeste. Como uma surpresa para muitos, a confederação alterou a duração da Libertadores, indo de fevereiro a novembro. A Sul-Americana será jogada de junho a dezembro.

Além disso, haverão mais quatro times na disputa da Libertadores, totalizando agora 42, e menos times jogando a Sul-Americana. Os países que herdaram as novas vagas ainda será anunciado, mas a expectativa é que um time brasileiro esteja envolvido, até porque o presidente do Atlético/MG (Daniel Nepomuceno) esteve envolvido nas reuniões que definiram as mudanças. Mas, talvez a principal mudança tenha sido quanto a decisão, que será jogada nos moldes da UEFA Champions League, com jogo único, estádio pré-definido e torcida neutra. Mas, afinal, no que se refletirá essas mudanças? Para dissertar sobre esse assunto, vamos por etapas.

Comecemos a dissertar sobre a principal mudança. Se inspirando num questionamento feito pelo jornalista Hugo Botelho nesta tarde; você pagaria para assistir uma decisão entre Colo Colo e Lanús, por exemplo? Acredito que muitos diriam não, e um questionamento válido a qualquer país que receberá a decisão. Ou seja, o jogo da decisão da Libertadores não deverá ser o único motivacional, ao contrário da UEFA Champions League. Já que estamos importando o modelo europeu, a decisão da Libertadores tem que receber muitos investimentos por parte da Conmebol para se tornar algo que incentive o torcedor a pagar para assistir a decisão. A mudança a princípio pode não ser bem aceita por conta de questões culturais do torcedor sul-americano, mas a experiência por mudanças é sempre válida. Se a decisão vier para o Brasil, a experiência inaugural deveria ser em Porto Alegre, onde o torcedor se mostra mais atraído a competição continental que o Brasileirão

Outra mudança importante, a duração da Libertadores. Indo de fevereiro a novembro, a competição continental não afetará apenas o calendário sul-americano, mas afetará todos os outros campeonatos da América Latina. Em países como Argentina e Uruguai, por exemplo, a mudança vai soar como algo estranho, países onde é adotado o calendário europeu. Os campeonatos começando em agosto, momento de fase final da Libertadores, que terminará em novembro. E quando esses campeonatos locais terminarem, em meados de julho, uma nova edição da Libertadores já terá começado. Ou seja, alguns times simplesmente não terão período de descanso, e por isso necessita-se a revisão dos calendários locais.

No Brasil, onde a temporada começa em fevereiro e termina em dezembro, a situação também se mostra complicada. Primeiramente, a Copa do Brasil deverá ser novamente revista, pois os clubes que jogarem a Libertadores ainda poderão estar disputando a competição continental no final do ano. Haverá um momento da temporada em que estarão em disputa Brasileirão, Sul-Americana e Libertadores, além da Copa do Brasil. Ou seja, as datas terão que ser melhor distribuídas para encaixar todos os jogos dos nacionais.

Portanto,temos mudanças em relação a decisão que podem não ser muito bem aceitas pelo torcedor sul-americano por questões culturais, e quanto ao calendário, mostra-se ainda mais urgente a revisão do calendário do futebol brasileiro. Haverá mais dinheiro circulando no futebol sul-americano, mas isso não significa que teremos uma melhora técnica e tática do futebol, apesar de haver a possibilidade. Mudanças são sempre bem vindas, ainda mais adaptando-se o modelo do futebol europeu, que deverá ser modelo para a melhora da prática esportiva em todo o mundo. Que 2017 chegue logo.



Vocação jornalística e esportiva desde a infância. Colaborador desde 2015 com matérias/artigos, principalmente nas coberturas do automobilismo, futebol americano e esportes eletrônicos.