Veja o que Marco Aurélio Cunha disse sobre o trabalho de Ricardo Gomes no São Paulo

São Paulo
Crédito de imagem: Rubens Chiri/saopaulofc.net

O diretor executivo do São Paulo, Marco Aurélio Cunha, concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira (27), no CCT da Barra Funda, na Capital, e entre os assuntos estava o técnico Ricardo Gomes. O dirigente fez uma avaliação sobre o trabalho do treinador e procurou isentá-lo de culpa na atual situação do time no Campeonato Brasileiro e na eliminação da Copa do Brasil.

VEJA MAIS
NOVO MEIA DO SÃO PAULO PRESENTEIA PAI VESTINDO A CAMISA DO CLUBE; ENTENDA
APRESENTADO NO SÃO PAULO, JEAN CARLOS ADMITE QUE SUBSTITUIR GANSO É “COMPLICADO”

“É um trabalho natural. Terá altos e baixos. A bola parada é qualidade de quem tem, não tanto defeito de zaga. As jogadas foram de mérito dos atacantes. Tem de dar mérito. A bola parada é do jogo. A ineficiência do ataque foi justamente a saída dos grandes jogadores, foram cinco ou seis do ataque. Kieza também veio e foi”, explicou, em relação ao revés para o Vitória, no fim de semana.

“Perdemos o poder ofensivo. Estamos tentando arrumar. Cueva é jovem, Chavez também fez seus gols e agora está um pouco sem fazê-los. Temos de aproveitar mais as nossas bolas paradas, bolas ofensivas, e a defesa estamos bem, inclusive com a vinda do Maicon. O Ricardo está no meio do processo, de entrada e saída de jogadores. É um trabalho normal. Nem extraordinário, nem ruim. É um trabalho possível”, continuou MAC.

Ele também falou sobre o mercado tricolor para reforços. Segundo Cunha, não dá para prever o que vai acontecer futuramente pelo dinamismo dos negócios.

“São ajustes. Tem de ver o que tem de melhor, questões de renovações de contrato, alguns com contrato vencendo no meio e no final do ano que vem. É ajustar o que pretendemos. E ver o mercado para negociar oportunidades. É muito oportunidade de momento. Não nos planejamos desfazer de pessoas, e sim inserir”, disse.

“Quando vem negócio, como Ganso, vemos se é possível. A missão é equilibrar os ativos. Não dá pra dizer hoje quem vem ou não. É muito dinâmico, de momento. As vezes, grandes jogadores chegam no último dia da janela, por conta da negociação. É muito difícil prever’, encerrou Marco Aurélio Cunha.



Jornalista desde 2012, com passagens pelos jornais ABCD Maior e Diário do Grande ABC, além do canal NET Cidade. Foi repórter colaborador e hoje é líder da comunidade de colaboradores juniores, plenos e seniores no site Torcedores.com.