Pressão, posse de bola e velocidade: Seleção mostra repertório em goleada sobre a Bolívia

Seleção Brasileira
Lucas Figueiredo/CBF

O início de Tite no comando da seleção brasileira é empolgante. Três vitórias em três jogos, dez gols marcados e apenas um sofrido. No jogo de ontem, 5 a 0 sobre a Bolívia, o time brasileiro mostrou variações em diversos momentos, tudo de acordo com a necessidade da partida. Os gols marcados são uma prova disso.

LEIA MAIS
Enquete: quem deve ser o capitão do Brasil contra a Venezuela?

A marcação alta, pressionando a defesa boliviana, resultou no gol de Neymar, que roubou a bola no campo de ataque, tabelou com Gabriel Jesus e abriu o placar.

A movimentação do meio para o lado direito de Giuliano, indo trabalhar a bola com Daniel Alves, gerou a jogada do segundo gol, marcado por Philippe Coutinho.

O terceiro e o quarto gol mostram a força do contra-ataque e a bola bem trabalhada do time de Tite. As duas jogadas pelo lado esquerdo com Neymar, uma para Filipe Luís e outra para Jesus, terminaram com a rede balançando.

O gol de Firmino, o quinto do jogo, foi o segundo da “era Tite” em jogadas de escanteios. A bola parada também aparece como uma alternativa válida em partidas complicadas.

Vertical, mas ao mesmo tempo valorizando a posse de bola. Velocidade unida ao controle de jogo. A Seleção parece ter ser encontrado antes do previsto. Melhor para os brasileiros, carentes do bom futebol da amarelinha há tempos.



Das ruas ao Maracanã. Dos campos de terra aos gols de caixote. Futebol é nossa religião. Jornalista, 22 anos. Tatuí l SP.