Alê Oliveira relembra gafe em clube que treinou e conta como foi demitido

Alê Oliveira foi o convidado do The Noite, de Danilo Gentili, desta quarta (26)
Reprodução/ ESPN

Hoje comentarista de sucesso dos canais ESPN, Alê Oliveira já tinha ligação com o esporte desde a adolescência, jogando principalmente futsal. Já mais velho, virou treinador no futebol de salão, mas, apesar do relativo sucesso, acabou passando por episódios nada agradáveis, como no clube do Hebraica, uma das maiores associações judaicas do país e da America Latina.

LEIA MAIS:
VOCÊ SABIA? COMENTARISTA DA ESPN CHEGOU A JOGAR NA BASE DO PALMEIRAS
NA ESPN HÁ 16 ANOS, ALÊ OLIVEIRA REVELA MAIORES REFERÊNCIAS NA MÍDIA ESPORTIVA
DE ESTILO IRREVERENTE, ALÊ OLIVEIRA CONTA QUANDO LEVOU “BRONCA” NA ESPN

Para o “Rei do Decreto”, como já tem sido apelidado, foi uma experiência diferente, já que, antes, ele havia trabalhado somente em equipes universitárias. “Eu estava muito acostumado com aquele universo de faculdade, então eu já tinha um esquema montado para preleções e jogos”, explicou em entrevista ao programa The Noite, de Danilo Gentili, exibido nesta quarta (26) no SBT.

Quando chegou ao Hebraica, Alê Oliveira já trabalhava nos canais ESPN, o que gerou grande expectativa por parte do clube. “Cheguei fazendo igual na faculdade e, ao final da preleção, puxei a oração do ‘Pai Nosso'”, lembrou, às gargalhadas com o apresentador.

“Na hora, fiquei sozinho e pensei: ‘será que ninguém sabe a letra?’. Aí, complicou pra mim. Então, falei para cada um fazer sua oração e irmos para o jogo. Perdemos e ali minha carreira já ficou meio comprometida”, brincou o comentarista, que ressaltou que a demissão de lá ainda aconteceria só depois de alguns anos.

Com muitas atividades na ESPN, Alê Oliveira já não conseguia conciliar os dois trabalhos e acabou eliminando “sem querer” o Hebraica nas quartas de final de um campeonato, quando o hoje comentarista tentou implementar uma tática que não valeria de nada contra uma equipe mais forte.

“Falei para o nosso time: são dois jogos, mata-mata, e vale o saldo de gols. Com isso, pedi para perdermos o primeiro jogo pelo menor placar possível. Quando acabou o jogo, 2 a 1 para os caras, estávamos comemorando quando fui cumprimentar o treinador adversário com certa ‘máscara’: ‘Parabéns pelo resultado e até terça no jogo de volta’. Aí ele me falou: ‘jogo de volta? Você não esteve na última reunião na Federação, né? Pra ter o jogo de volta, vocês precisariam ganhar a primeira partida, já que tivemos a melhor campanha. Acabou, vocês já estão fora’. Aí eu fui para o vestiário dar uma notícia boa e uma ruim para os jogadores: ‘para mim, esse foi o melhor jogo do Hebraica’ e a ruim era que foi o último. Aí, a casa começou a cair pra mim e, de dois anos para cá, estou voltado mais para o trabalho de comentarista mesmo”, contou.

Na ESPN, Alê Oliveira participa, de segunda a sexta, do Bate-Bola Debate, que vai ao ar às 13h (de Brasília). A apresentação é de Bruno Vicari, além da presença de outros dois comentaristas: Jorge Nicola e Leonardo Bertozzi.

Gostou da publicação? Para acompanhar tudo o que escreve seu autor, curta sua página no Facebook e siga-o no Twitter.



Jornalista formado pelo Mackenzie (SP), pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Multimídias e pós-graduando em Assessoria de Comunicação e Mídias Sociais pela Anhembi Morumbi (SP). Apaixonado por esportes desde 1994.