Arsenal: Cotado para assumir a seleção inglesa, Wenger vira polêmica no clube inglês

Wenger na seleção inglesa
Reprodução: Arsenal Facebook oficial

Os ventos mudam de direção de forma constante, da mesma forma podemos dizer que a cabeça dos treinadores ficam a tona e deixam de ficar na mesma proporção. O muito criticado Arsene Wenger, treinador do Arsenal há 20 anos, passa a ser polêmica mais uma vez nessa temporada. O francês muito criticado principalmente pelo não título da Premier League na última temporada, já foi alvo de polêmica este ano, ele foi acusado de gastar pouco para reforçar a sua equipe e esse resultava no distanciamento do Arsenal na luta pelo título na temporada 2016 – 2017. O fato é que o francês no comando há 20 anos, conquistou apenas 3 Premier League e 6 Fa Cups, é mais que evidente que a falta de títulos na Premier League, incomoda e muito os torcedores, que a cada ano mais distante do título, que não vem desde 2004, aumenta a pressão sobre o francês.

Se nem o fato de ter sido o único dos grandes a ter disputado todas as edições da Premier League nos últimos 18 anos era capaz de tornar a situação de Wenger mais tranquila diante do comando do Arsenal, parece que um novo fator, tornou capaz de mostrar a importância do treinador dentro do clube. Desde o escândalo envolvendo Sam Allardyce ex técnico da seleção inglesa, que acabou por perder o cargo ao ser gravado a falar de esquemas fraudulentos na contratação de jogadores, o comando da seleção voltou a ser alvo de muitas especulações. Com isso nomes começam a surgir e ganharem forças, se antes a opção era por um treinador inglês a comandar a seleção inglesa, esse fato parece não ser mais importante, e assim dois nomes da Premier League, surgem com muita força, e são justamente de Arsene Wenger e do muito elogiado Maurício Pochettino do Spurs.

Só para termos noção da força que está tendo essa especulação de Wenger assumir o comando da seleção inglesa, veja abaixo a declaração de Ivan Gazidis, chefe-executivo do Arsenal:

Vamos abordar o futuro de Arsene Wenger, em nosso próprio caminho, em nosso próprio tempo”

Claramente um burburinho começou a ser feito em torno do assunto, se antes os dirigentes do clube precisavam suportar a pressão da torcida pela cabeça do treinador, agora ganharam um motivador extra para se preocupar, seja o interesse dos mesmos em manter Wenger no cargo. Esperamos uma novela bem longa ainda sobre o assunto.