Cris Cyborg volta a provocar Ronda por luta: “vai precisar de cirurgia no rosto”

Reprodução/Instagram

Ronda Rousey não disputa uma luta pelo UFC desde novembro do ano passado quando foi nocauteada por Holly Holm perdeu o cinturão do peso-galo feminino. Desde então, a ex-campeã se fechou com sua equipe e não falou mais sobre voltar a lutar pela organização, e olha que muitas concorrentes estão querendo desafiar Rowdy, entre elas a brasileira Cris Cyborg.

LEIA TAMBÉM:
Namorado de Ronda sorri ao posar ao lado de alce morto e é criticado na Internet

A brasileira se pronunciou no programa “Speak for Yourself”, dos EUA, e deixou bem claro que seu objetivo é uma luta contra Ronda, independentemente do cinturão, que hoje pertence à brasileira Amanda Nunes. “Na minha última luta, eu quebrei o nariz da garota (Lina Lansberg) em três lugares. Com certeza se eu enfrentar a Ronda ela vai precisar de cirurgia no rosto depois da nossa luta. E eu não estou brincando”, declarou a curitibana.

Muito antes de perder para Holm, Ronda já havia sido desafiada por Cyborg para um combate no UFC, porém a norte-americana sempre ironizou a adversária ao dizer que “Cris precisava perder peso para chegar ao limite da categoria antes de uma luta”.

No programa da TV americana, Cyborg opinou que Ronda nunca responde seus “convites” por medo. “A Ronda não diz nada. Ela sequer fala o meu nome. Ela usou o Dana White e a mãe dela para falar de mim, porque sabe que se disser meu nome terá que me enfrentar. Ela sabe”.

Aos 31 anos, Cyborg, que detém o cinturão peso-pena do Invicta FC, tem um cartel impecável de 17 vitórias, uma derrota e uma luta sem resultado e é constantemente comparada à Ronda no quesito melhor lutadora de todos os tempos.

Já Ronda perdeu, diante de Holm no UFC 193, pela primeira vez no MMA após domínio no Strikeforce e no UFC, onde debutou faturando o título, em 2013. A americana viu seu cinturão passar para as mãos de Miesha Tate, que derrotou Holm logo depois, e agora chegar à posse de Amanda Nunes, após bater Miesha recentemente.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.