Cruzeiro mostra dificuldade de finalizar na derrota para o Grêmio

Crédito da imagem: Washington Alves/Lightpress/Cruzeiro

O Cruzeiro se viu numa situação difícil no Mineirão lotado. O time celeste enfrentou o Grêmio na quarta-feira, pelo duelo de ida das semifinais da Copa do Brasil e acabou derrotado por 2 a 0. A raposa se viu acuada pelo adversário que soube controlar a bola e matar o jogo. Com a derrota, o Cruzeiro precisa tirar algumas lições para o jogo de volta em Porto Alegre.

Leia mais:

VAIADO, CRUZEIRO PROMETE DAR O TROCO NO GRÊMIO EM PORTO ALEGRE
CRUZEIRO VÊ FLAMENGO SE APROXIMAR EM NÚMERO DE SÓCIOS E VOLTA A CRESCER
VEJA O QUE A IMPRENSA FALOU DA DERROTA DO CRUZEIRO

 

A noite de quarta feira foi daquelas para ser estudada e não repetir. O time bateu cabeça defensivamente no primeiro tempo e se viu na roda quando o Grêmio abriu o placar. Ninguém marcou o meio campista Luan que fez um golaço por cobertura.

Por falar em cobertura, a zaga do Cruzeiro não tinha cobertura na subida dos laterais do time gaúcho.

O meio campo do Cruzeiro foi engolido pelo time adversário. Com o gol, o time celeste se viu obrigado a sair um pouco mais. No entanto, faltou criatividade aos jogadores de armação.

O time de Mano Menezes viveu dois extremos de uma quarta para a outra. Na vitória sobre o Corinthians foi um dos melhores jogos da temporada e contra o Grêmio, um dos piores.

O ataque do Cruzeiro ficou isolado e o time não ficou compactado num jogo que a atenção é essencial do inicio ao fim.

Ramón Ábila pouco encostou na bola. Os meias celestes não municiaram o atacante e mano tem a tarefa de acertar o time para a partida de volta em Porto Alegre na próxima quarta.

A marcação foi muito frouxa durante todo o jogo e isso facilitou as jogadas da equipe adversária, como no contra-ataque do segundo gol tricolor, marcado por Douglas.

O resultado da partida foi justo pelo que as duas equipes apresentaram em campo. Agora é corrigir os erros e ir com tudo para o Sul, atrás de uma classificação quase improvável.

 



Sou apaixonado por esportes e política. Escrever é minha paixão. A vida é muito intensa para ser editada em palavras!