Descubra onde goleiro do Flamengo ganhou apelido de ‘Muralha”

Crédito da foto: Reprodução\ Facebook oficial do Alex Muralha

Hoje o goleiro Alex Muralha está em alta, titular absoluto do Flamengo fazendo um grande Campeonato Brasileiro e convocado pelo Tite para Seleção brasileira, mas nem sempre foi assim, há oito anos atrás ele estava em um clube da 3 divisão do Campeonato Paranaense e foi lá que o jogador ganhou o apelido de ‘Muralha’.

Leia mais:

EM REDE SOCIAL TORCEDORES DO SANTOS SE ANIMAM COM FABIÁN NOGUERA

TORCIDA DO CORINTHIANS, HÁ 39 ANOS, REGISTRAVA MAIOR PÚBLICO PRESENTE NO MORUMBI

TOTTI: “A ÚNICA EQUIPE EM QUE JOGARIA, ALÉM DA ROMA, SERIA O REAL MADRID”

Em 2008 ele jogava no Serrano (hoje Prudentópolis FC) do Paraná, foi por lá que ganhou sua primeira chance como profissional e o apelido de ‘Muralha’: Nos trabalhos de chute a gol ele era uma muralha, não deixava passar nada. Aí começaram a dizer, ‘parece uma muralha, parece uma muralha!’ Pegou”, conta o preparador de goleiro na época no Serrano.

O Alex Muralha passou por maus bocados no clube paranaense, relembra o o ex-presidente do Prudentópolis: Na época a gente fez um contrato de seis meses para o campeonato e ele devia ganhar uns 200 reais como ajuda de custo. A gente estava iniciando o clube, não tinha recursos”.

“Ele morava no alojamento do estádio mesmo, era bem simples. Hoje foi melhorado. Eram dois beliches por quarto, refeitório do lado. Morava e comia ali”, completa o dirigente.

Mas antes dele chegar ao modesto Serrano sua situação era ainda pior: Alex Muralha tinha sido dispensado do Paraná Clube, recorda Valdir Luiz Canini, ex-presidente do Prudentópolis: Nós profissionalizamos o clube, que tinha disputado o Paranaense sub-20 e montamos a base só com jovens para 3ª divisão. Estávamos atrás de um goleiro e ele tinha sido dispensado do Paraná Clube. Veio para cá, fez um teste, foi bem e ficou”.

O hoje técnico de futebol Ary Marques não sabe o motivo do Paraná ter dispensado o Muralha, ele também conta como o goleiro chegou ao clube: “Eu achei ele em Mandaguari (região metropolitana de Maringá, no noroeste do Paraná), numa peneirada. Fui buscar outro jogador e vi ele treinando, convidei na hora. Depois tudo mudou no clube, saí e não soube mais dele. Só que havia sido dispensado”, conta coordenador da base do time na época.

Fonte:

Uol Esportes



Estudante de Jornalismo. Setorista no Torcedores.com do Santos e Botafogo.