Ex-técnico do Grêmio vira taxista no interior do Rio Grande do Sul

Grêmio
Foto: Site União Frederiquense.

Em busca de uma situação nova durante a má campanha no Brasileirão de 2003, o Grêmio recorreu ao novato Nestor Simionato para comandar o clube e a ele confiou a tarefa de uma recuperação no certame nacional. Sem experiência em time grande, o técnico vinha respaldado por dois bons trabalhos no interior do Rio Grande do Sul, em times como o Glória, de Vacaria, e o Santo Ângelo.

LEIA MAIS:

Narrador se empolga em vitória do Inter: “Juiz, termina a p… desse jogo”

Danilo Fernandes: “Só não jogo pelo Inter se estiver no hospital”

Simionato assumiu o Grêmio em julho de 2003, em substituição ao ex-técnico Dario Pereyra, o primeiro a assumir o tricolor depois da era Tite. Mas, assim como o seu antecessor, Simionato não teve vida longa no Grêmio. Ele foi demitido cerca de um mês depois de assumir, tendo feito apenas sete jogos no Brasileirão, com cinco derrotas (Criciúma, Corinthians, Guarani, Goiás e Vitória), um empate (Atlético-PR) e uma vitória (Santos).

No Grêmio, Simionato teve problemas ao pegar um elenco já enfraquecido com a fase final da geração que conquistou o título da Copa do Brasil de 2001 e chegou à semifinal da Libertadores de 2002. Jogadores como Anderson Lima, Tinga e Christian eram alguns que permaneciam na equipe, já sem o mesmo rendimento de antes. Após Simionato, Adílson Baptista assumiu o clube e evitou o rebaixamento em 2003, mas no ano seguinte a queda acabou acontecendo.

Nova profissão

Fora do Grêmio, Nestor Simionato não conseguiu dar sequência em grandes clubes e voltou a percorrer equipes de menor porte, como Ulbra, Treze, Esportivo, Luverdense, Inter de Santa Maria, Avenida e Esportivo. Seu último trabalho foi no União Frederiquense, do interior gaúcho, em 2014. Cansado da rotina desgastante da profissão e da precária estrutura oferecida por esses times menores, o ex-técnico do Grêmio decidiu mudar de profissão.

Ele resolveu voltar para a região onde se criou e agora trabalha como taxista em Bom Retiro do Sul, que conta com pouco mais de 10 mil habitantes e fica distante de Porto Alegre por cerca de 105 km. Simionato chegou a receber propostas recentemente para assumir equipes amadoras do interior gaúcho, mas não aceitou e não pretende voltar à casamata.

O ex-Grêmio, inclusive, tentou se aventurar na política. No último domingo, data do primeiro turno das eleições municipais pelo Brasil, ele concorreu a uma vaga na Câmara dos Vereadores de Bom Retiro do Sul pelo PTB, mas recebeu 78 votos, ficando em 34º lugar, distante da 9ª colocação que lhe concederia o almejado mandato.

 



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.