Mano despista sobre favoritismo e rebate Renato: “Papo para boi dormir”

Mano
Reprodução Facebook oficial Cruzeiro Esporte Clube

Mano Menezes não considera o Cruzeiro favorito para o duelo de semifinal da Copa do Brasil contra o Grêmio. Nesta quarta-feira, às 21h45, as duas equipes iniciam a disputa em Belo Horizonte, no Mineirão. Na última rodada do Brasileirão, domingo passado, contra o Vitória, os mineiros pouparam oito titulares visando o duelo pelo torneio mata-mata. Para Renato Gaúcho, técnico gremista, isso joga o favoritismo para o Cruzeiro. Mano não concorda.

LEIA MAIS:

Grêmio completa 10 anos sem perder Gre-Nal em casa no Brasileirão

É o amor! Gremista pede colorada em casamento no intervalo do Gre-Nal

“Conversinha pra boi dormir. Lá no sul a gente chama de “pega ratão”. Ele (Renato) é experiente e sabe disso. O Cruzeiro não imagina um Grêmio mais desgastado. Não é assim. Ele também fez isso lá contra o Santos, jogadores importantes não iniciaram o jogo na Vila”, salientou Mano Menezes em entrevista coletiva na Toca da Raposa II.

O confronto entre Grêmio e Cruzeiro reúne os dois maiores vencedores da história da Copa do Brasil. Para cada lado, quatro conquistas. Mano Menezes, comandante da Raposa, já treinou o Grêmio e dirigiu a equipe entre 2005 e 2007. Ele prega muito respeito ao adversário da semifinal.

“Isso se faz em jogos diferentes para se equilibrar o plantel. Vamos esperar um Grêmio muito forte e vamos para encarar esse Grêmio”, garantiu Mano.

Mesmo com os reservas, o Cruzeiro venceu o Vitória em Salvador no último domingo e se distanciou da zona do rebaixamento no Brasileirão. Pelo fato de o rival ter utilizado suplentes, o técnico Renato Gaúcho acredita que o Cruzeiro entra com um certo favoritismo na semifinal.

“Espero que isso não entre em campo. Mas é notório. Ninguém poupa uma equipe, como o Mano fez, à toa. Eu poupei praticamente todos contra o Santos, e não foi à toa. É o desgaste. Cada técnico tem suas armas e busca o melhor para o grupo. Infelizmente para nós o Gre-Nal caiu bem no meio dos jogos. Se não fosse o Gre-Nal, iríamos reaver nosso pensamento de pôr um time diferente. Mas o Gre-Nal tem apelo da torcida e da diretoria”, explicou o treinador gremista.

 



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.