O Corinthians e a sofrência em 2016

Daniel Augusto Jr. Agência Corinthians

Nesse ano de 2016, o Timão teve altos e baixos nas diversas competições disputadas ao longo dessa temporada. Quem imaginaria que o time de Parque São Jorge estaria em queda livre no Brasileirão, faltando dez jogos para terminar o campeonato? Para a equipe que estava cotada a lutar pelo bicampeonato nacional, essa situação nem estava no roteiro. Mas, a temporada não ajudou a confirmar as especulações iniciais.

No início do ano, a avalanche chinesa e a janela européia fizeram uma verdadeira limpeza no time campeão nacional de 2015. E as peças de reposição, nunca tiveram um desempenho esperado. Mas, mesmo assim, Tite ainda conseguia levar a equipe a conquistar vitórias, mesmo sem aquele futebol bonito e bem jogado no ano anterior. A equipe vencia, mas não convencia.

As campanhas na Libertadores (eliminado pelo Nacional do Uruguai, nas oitavas de final) e Paulistão ( Eliminado na semifinal pelo Audax) não foram o esperado pela torcida, nas duas competições. Mas existia o alento na disputa do Brasileirão. O time continuava a oscilação na tabela. E Tite estava em busca de um time ideal. Enquanto isso, a equipe melhorava no campeonato, mas, não em campo. Até que, veio o convite da Confederação Brasileira de Futebol – CBF para que o treinador assumisse a Seleção masculina de futebol. Nesse momento o caldo entornou de vez. Por que aliada a troca de comando, houve a saída de diversos jogadores e membros da comissão técnica do clube. E agora, o que poderia ser feito?

Pois bem, para substituir Tite, a diretoria escolheu Cristovão Borges, para a dura missão de dirigir o Alvinegro de Parque São Jorge. Nas dezoito partidas que esteve à frente da equipe, houve boas e más atuações do time e do treinador. O desempenho da equipe aliada à desconfiança da torcida, pesaram para a demissão do treinador, algo que não acontecia no clube desde 2010.

Enquanto a diretoria não escolhe um substituto para Cristovão, o técnico da vez é Fábio Carille. Profissional do clube desde 2009 e que faz parte da comissão técnica permanente do Timão. Desde que assumiu, vem tentando juntar os cacos e montar uma equipe. Porém os resultados não são muito animadores. Conseguiu a polêmica classificação para as quartas de final da Copa do Brasil, diante do Fluminense. Já no Brasileirão, o time vem descendo ladeira abaixo. As derrotas seguidas fizeram o time cair da quarta para a sétima posição. Será que a diretoria vai esperar até quando para se mexer em busca de um treinador?

E o fiel torcedor se pergunta a todo instante, a culpa é de quem? Da diretoria, dos jogadores, dos técnicos. Cada um tem sua parcela de culpa nessa situação. A diretoria não repôs as peças com a velocidade com que saíram. E com isso, os técnicos ficam sem opções no elenco para alterar durante o jogo ou fazer mudanças na escalação do time em uma nova partida. Os jogadores também têm sua parcela de culpa. Eles deveriam se unir, em virtude do momento, e trabalhar melhor cada habilidade especifica, principalmente o ataque. Pois se continuar dessa forma, além de cair ainda mais na tabela, a torcida irá ficar cada vez mais distante da Arena Corinthians, que tem registrado recorde cada vez menor em número de torcedores, nas últimas rodadas do Brasileirão e nos jogos da Copa do Brasil. Vamos aguardar os capítulos finais desse ano, e ver se a casa pode ser organizada para 2017, ainda dá tempo!

Campeonato Brasileiro 2015 Corinthians/SP x Coritiba/PR

Daniel Augusto Jr. Agência Corinthians