Opinião: Com novas regras, disputar a Libertadores fica mais fácil e sem graça

Divulgação - Conmebol

A Conmebol anunciou recentemente, uma significativa alteração no calendário de disputas da Taça Libertadores em 2017. No total, serão 44 equipes, e 42 semanas de disputa, o que gerou um aumento da competição em praticamente 4 meses.

Libertadores tinha que ser um campeonato difícil de se classificar, afinal, falamos do maior torneio do continente americano, e, teoricamente, só fica atrás da UEFA Champions League em âmbito mundial. Mas na prática estamos vendo uma facilidade cada vez maior de se classificar.

Só no Brasil serão 7 vagas, podendo ser até 9, caso os campeões da Sul Americana e da Libertadores venham a ser brasileiros. Em seu início a Libertadores contava apenas com clubes campeões, posteriormente inseriram os vices, e há algumas décadas o campeão da Copa do Brasil mais 3 ou 4 do Brasileirão.

Era um feito gigantesco e muito comemorado conquistar uma vaga no torneio. Quem não se lembra quando o Atlético-PR disputou em 2000? Ou o Sport em 1988. São Caetano no início dos anos 2000. Fora outros, como Goiás, Paulista, Santo André, além dos próprios grandes do Brasil, comemorando o feito de retornar à disputa.

Algo se perdeu com essa nova regra, e foi a essência de se disputar a Libertadores. Copiar a Liga dos Campeões não é o melhor caminho. Lá existe mais dinheiro, mais organização, mais clubes pois tem mais de 50 filiados, e boa parte deles tem direito á uma vaga pelo menos, nenhum pais tem mais que 4 ou 5 vagas.

O palmeirense, flamenguista, atleticano, santista e o torcedor do fluminense sabem, por exemplo, que dificilmente ficarão de fora da disputa, restando assim a 6ª vaga para muitos clubes que a disputam.

Na Copa do Brasil, como boa parte desses estarão garantidos pelo Brasileiro, restarão poucas opções pra ela também, destacando Corinthians ou mesmo o Grêmio.

Fato é, que com essa nova regra, todos os grandes da América do Sul tem obrigação de estar presentes (e acho que a Conmebol realmente queria isso também): o Brasil tem 12 clubes grandes, e 6 deles vivem bom momento; Boca, River, Racing, San Lorenzo devem garantir suas vagas na Argentina; Olimpia e Cerro no Paraguai; Nacional e Peñarol no Uruguai; Atlético Nacional na Colômbia; Colo Colo e Universidad de Chile no Chile e por ai vai.

Será que não gostaram das surpresas nas recentes Libertadores? Querem os grandes novamente? Menos Independente Del Valle, Bolivars, PUMAS, Nacional-PAR, Guarani-PAR e etc?

Vamos aguardar!