Opinião: O desabafo de um amante do futebol que pede divórcio

Esse é um desabafo para você, futebol. Te amo e te idolatro, mas chegou a hora de seguirmos nossos caminhos. Tenho 25 anos, mas a minha história com contigo e com o Fluminense começou em 21/07/1902. Meu bisavô foi um dos entusiastas que participaram da criação do Fluminense Football Club. Desde então foram gerações de tricolores na família.

Mas se eu te amo, tenho história contigo, me emociono e me divirto ainda o que eu quero dizer com seguirmos nossos caminhos?

Quero dizer que você não me representa mais. O que você simboliza hoje não é mais suficiente para ser digno do meu amor.

Vou esclarecer:

1 – Você não serve aos interesses da população. Os bilhões de reais você movimenta no país hoje não retornam para a sociedade, para a educação das nossas crianças. Esse valor só serve para dar visibilidade a marcas que se associam, a indústria do entretenimento que se beneficia da sua atuação e para “formar” jogadores de alto-rendimento.

2 – Formar jogadores é diferente de pessoas. Você se preocupa em formar jogadores preparados para o campo de jogo, pelos quais você lucra mercantilizando essas pessoas. Mas e o cidadão, qual a qualidade da educação que você entrega pra milhares de jovens que praticam futebol, qual a sua responsabilidade social? O que você tem feito para mudar a realidade social do nosso país? Quanto da sua verba e recursos você tem destinado ao social?

Você hoje premia o preto pobre que dá certo (1 em milhares que tentam e sonham com um futuro de possibilidades que o futebol vende, mas pouquíssimos conseguem), e os outros que não conseguem o que você faz por eles?

3 – Seus líderes são péssimos exemplos. Seu modelo de negócio/gestão é arcaico, corrupto, machista, ditatorial. Tudo o que a nossa sociedade tenta mudar você reafirma. A sua corrupção é parte intrínseca da sua personalidade. Difícil saber quem não é corrupto ou quem é de bem. Isso tudo porque falta transparência e a sua máquina favorece a exploração do ser humano (jogador, torcedor, etc). Isso é um péssimo exemplo para a sociedade que queremos.

4. Suas arenas são Coliseus do século XXI. Os templos em que você acontece tornaram-se espaços exclusivos, de violência como na era romana, com custos caríssimos aos seus fãs. A magia do futebol sempre foi a integração, as diferenças unidas dividindo o mesmo espaço por uma paixão. Eu te pergunto… você perguntou a algum fã seu se ele queria isso? Não. Simplesmente “evoluiu” em favorecimento dos interesses da indústria do lucro e hoje está sofrendo né…?

5 – Seu jogo é… enfim, é triste. Quem nunca escutou “Roubado é mais gostoso!”, “Tava impedido mas o que vale é bola na rede!”, “Se jogou, mas a culpa é do juiz (árbitro, vamos esclarecer que juiz é aquele que faz justiça e no futebol o camarada é arbitrário, decide e pronto) que caiu na dele!”.

Enfim, no seu jogo o erro do árbitro é relativo se você está no lado beneficiado ou prejudicado. Qualquer semelhança com o “jeitinho brasileiro”, “levar vantagem”, “tive que dar um gato pra ele liberar” é mera coincidência!

Eu trabalho e me esforço por uma sociedade justa, ética, diversa e inclusiva, feita por e para as pessoas poderem ser o melhor que elas são. Você representa hoje o contrário. É a cópia, reflexo e inspiração escarrada para tudo de ruim que critico.

Muito obrigado por ter chorado, pulado, gargalhado, se emocionado e comemorado comigo nesses últimos 25 anos. Vou continuar te apreciando, porque você é bonito de ver, mas enquanto tivermos visões de mundo diferentes vamos encerrar nosso relacionamento sério aqui, hoje, ok?

Seja feliz e encontre o seu caminho. Se quiser ajuda conte comigo, de verdade!