Prejuízo faz times do RN se afastarem da Arena das Dunas

Santos-AP x Vasco
Foto: Facebook Oficial da Arena das Dunas

A Arena das Dunas foi prestigiada pela CBF e ganhou uma partida das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, a goleada do Brasil em cima da Bolívia por 5 a 0. Mas se a Seleção Brasileira virou sucesso de público em Natal, os dois principais times da cidade, ABC e América, tem se esforçado para não sediar partidas na arena da Copa de 2014.

LEIA MAIS

MESSI IMPÕE NOVA CLÁUSULA PARA RENOVAR COM BARCELONA; CONFIRA

ATACANTE ARGENTINO REVELA DOPING E SUBORNO NA COPA DO MUNDO DE 78

APÓS COTOVELADA, BOLIVIANO CRITICA NEYMAR: “PRECISA DEIXAR DE SER ARROGANTE E RESPEITAR OS RIVAIS”

Segundo a Folha de São Paulo, o principal motivo que leva os times a se ‘afastar’ do estádio são os prejuízos financeiros resultados dos gastos com a manutenção do campo. Um levantamento do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte aponta que o prejuízo com o estádio pode chegar até a R$ 451,77 milhões caso não haja alterações no atual contato de administração do estádio.

A empreiteira OAS e o governo potiguar dividem a administração do estádio, cujos custos operacionais são estimados em R$ 90 mil, mas tem atraído pouco público a seus jogados, com o América tendo uma média de público de 4 mil pessoas durante a temporada.

O Mecão inaugurará um estádio próprio em breve e, enquanto jogar na Arena das Dunas, apenas usa parte da capacidade total do estádio para evitar mais gastos. Já o ABC decidiu romper o contrato de uso do campo e voltou ao seu estádio próprio, o Frasqueirão.

“Jogar na Arena da Dunas foi uma decisão equivocada da administração anterior. A operação de lá é caríssima e não serve para nossa realidade”, declarou o presidente abecedista, Judas Tadeu.

“Quando jogamos lá, não sobra quase nada para o clube. O importante dessa experiência é que nos forçou a encarar o futebol mais profissionalmente. Até a inauguração de nosso estádio, temos que continuar jogando na Arena” apontou o diretor jurídico americano, Diogo Pignatário.