R.Guedes se diz feliz no “maior do Brasil”, faz promessa por título e cobra jantar de corintiano

Palmeiras
Crédito de imagem: César Greco - Agência Palmeiras

Ele nasceu na pequena cidade do interior do Rio Grande do Sul chamada Ibirubá, de apenas 20 mil habitantes. Hoje, é responsável pela alegria de mais de 12 milhões de torcedores alviverdes. Róger Guedes chegou ao Palmeiras após chamar a atenção vestindo as cores do Criciúma, de Santa Catariana. As boas atuações com a camisa do Verdão ofuscaram inclusive Gabriel Jesus após o confronto contra o América-MG, onde recebeu elogios de pessoas ligadas ao Barcelona.

LEIA MAIS:

ATLÉTICO-MG E PALMEIRAS PODEM TER ENORME PREJUÍZO EM “DECISÃO” EM NOVEMBRO

VICE DO PALMEIRAS GARANTE CUCA NO COMANDO, PROJETA TÍTULO E FALA DE REFORÇOS PARA 2017; VEJA

“QUEM DIZ UMA BOBAGEM DESSA NUNCA JOGOU BOLA NA VIDA”, DISPARA NETO SOBRE “CUCABOL”

Apesar da mudança repentina na carreira, Róger se diz tranquilo quanto a pressão de estar no “maior do Brasil” e que não deixou a empolgação subir a sua cabeça. Mas ele confessa, no início, a ficha demorou para cair. Segundo ele, a confiança do técnico Cuca e dos demais atletas do elenco, contribuíram na adaptação rápida.

“Agora já caiu sim. No começo, quando cheguei, não, isso de vir para um time tão grande quanto o Palmeiras, o maior time do Brasil, para mim. É muito bom estar vestindo esta camisa, a torcida sempre lota o estádio e isso foi bom para mim logo quando cheguei, já que estava inseguro com os jogadores ‘de nome’ que estavam aqui. A confiança do grupo me ajudou muito, do Cuca também, e isso me ajudou muito a me adaptar. Em nenhum momento eu me empolguei, sou um garoto que tem a cabeça no lugar e sabe o que é o certo e o errado”, diz ele em contato com a reportagem do UOL Esporte.

Confira outros trechos da entrevista

ASCENSÃO RÁPIDA

Claro que, quando eu vim, não esperava começar jogando. Achei que teria um pouquinho mais de adaptação; lógico que queria dar o meu melhor, sabia que poderia jogar aqui no Palmeiras se repetisse o que estava fazendo no Criciúma. Graças a Deus deu certo. Volto a repetir, a confiança que todo mundo deu e fui muito bem acolhido, isso facilitou.

ELOGIOS DO BARCELONA?

Depois do jogo contra o América-MG [primeiro turno], fiquei sabendo disso e é lógico que a gente fica muito feliz e até tive um contato sobre isso. Meu pensamento é só no Palmeiras, devo muito ao Palmeiras por ter me contratado e estou muito feliz.

CONTATO?

Conversa normal depois do jogo, de boatos. Não diretamente da minha pessoa com o Barcelona. Como falei, fiquei muito feliz, isso é normal. Qual pessoa que não quer jogar lá fora em um time grande da Europa? Isso deixa a gente feliz, mas nada que suba para a cabeça.

PROPOSTA DA RÚSSIA BALANÇOU?

Não fiquei balançado. Fiquei sabendo da proposta, mas não chegou a mim também. Foi mais o Palmeiras com o clube. Várias pessoas falaram que as osciladas que eu dei em alguns jogos eram por causa da proposta, que não queria jogar, mas isso não. Estou feliz no Palmeiras. Quando for para sair, eu vou sair.

PARCERIA COM ZAGUEIRO MINA

Ele vive dançando aquelas músicas loucas lá! Toda hora fica dançando. Ele sempre convida eu e o Gabriel Jesus para dançar; nós vamos aprendendo aos poucos. É muito difícil dançar, não é nem dança: aquilo é uma loucura para a gente! Ele também quer que a gente ensine passinhos de funk para ele, mas é mais com o Gabriel Jesus.

TEM PROMESSA EM CASO DE TÍTULO?

Tenho a promessa de fazer uma tatuagem desde que cheguei aqui no Palmeiras. Meu objetivo aqui é ganhar títulos. Fomos para a semifinal do Paulista, mas perdemos nos pênaltis; ia ficar muito feliz se chegasse do Criciúma e conquistasse um título logo de cara. Agora temos a chance no Campeonato Brasileiro. Estávamos conversando outro dia: temos apenas três jogadores que foram campeões [Egídio, Edu Dracena e Jean]. É o campeonato mais difícil que tem. Se a gente conseguir este título, vou tatuar a taça se a gente levantá-la.

TEM CONTATO COM LUCCA E GUSTAVO?

Eu e o Gustavo, principalmente. A gente já marcou: ele está me devendo um jantar pelo clássico, já que ele perdeu [Palmeiras venceu por 2 a 0, em Itaquera]. Precisamos marcar o dia, já que ele mora um pouquinho longe e nunca batem os horários dos treinamentos. A gente mantém o contato, e com o Lucca também. Joguei quase o ano passado inteiro com o Lucca no Criciúma. Com o Gustavo tenho mais afinidade, somos mais garotos. Vou levar para a vida inteira.

VEM NOVA APOSTA COM GUSTAVO?

Sobre isso aí a gente não conversou, mas vamos ver com ele se aceita essa proposta. Acho difícil ele aceitar, já que perdeu uma e vai ter que pagar. Tem que pagar essa primeira, temos que marcar um horário, mas está demorando…[risos]

*Siga o autor em sua nova conta no Twitter