Roth relembra derrota para o Mazembe: “Não tem como explicar”

Mazembe
Créditos da foto: Ricardo Duate - Inter Divulgação

Foi no dia 14 de dezembro de 2010 que o Internacional sofreu uma das derrotas mais pesadas da sua história. O excesso de confiança, a empolgação da torcida e o êxtase do clube em participar de uma segunda edição de Mundial em menos de quatro anos pesaram contra e fizeram do desconhecido Mazembe, do Congo, um rival perigoso. Ao perder para os africanos por 2×0, o Inter se tornou o primeiro clube sul-americano a cair na semifinal do “novo” Mundial de Clubes da Fifa.

LEIA MAIS:

Celso Roth mira seleção e diz que não gosta de ver o Barcelona jogar

Sincero, Valdívia admite que se jogou em lance que deu a vitória ao Inter

No Brasileirão, Inter só venceu quando teve Danilo Fernandes em campo

Na casamata colorada em Abu Dhabi estava Celso Roth, chamado às pressas para substituir Jorge Fossati antes da semifinal da Libertadores contra o São Paulo. Conhecido por dar rápidas respostas e alcançar resultados imediatos, Roth fortaleceu o Inter e conquistou o torneio continental na decisão sobre o Chivas. Mantido para o Mundial em dezembro, o técnico acabou ganhando a marca que jamais sairá de sua carreira.

“Sobre o Mundial, colorado que fala do Mazembe esquece a Libertadores. Fala-se do Mazembe, mas o Inter disputou o Mundial quantas vezes? Duas. O Mazembe, oito. E aí, é uma m… o Mazembe? M… é quem fala isso. Não tem como explicar o jogo do Mazembe. Vocês já reviram a partida? Viram quantas chances perdemos? Enfim, está na história”, disse Roth, em entrevista ao jornal Zero Hora.

Por outro lado, o treinador rejeita a tese de que voltou para o Inter nesta temporada para “apagar” aquela derrota. Ele não vê ligação entre 2010 e 2016 e garante que retornou ao Beira-Rio pela identificação que tem com o clube e com Fernando Carvalho, atual vice-presidente de futebol.

“Eu vim para cá, desta vez, porque o Fernando acha que sou capaz de ajudar. Eu não vim para cá pensando que eu perdi para o Mazembe e preciso me recuperar. O resto é conversa de louco no corredor do hospício. Vim porque o Fernando me chamou, e porque tenho identificação com o clube”, acrescentou.

Mesmo com a marcante derrota para o Mazembe, em 2010, Celso Roth seguiu no Inter para a temporada de 2011. Acabou sendo demitido antes do término do Gauchão e da Libertadores, tendo sido substituído por Paulo Roberto Falcão. Curiosamente, Roth voltou ao Inter no lugar do próprio Falcão em 2016.



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.