Opinião: Senna x Piquet é a disputa que ainda não terminou

Getty Images

Olá amigos! Nesses 33 anos acompanhando a Formula 1, tive a oportunidade de acompanhar dois dos títulos de Piquet e os três de Senna. Vamos então analisar juntos o contexto desta disputa que ainda não terminou.

LEIA MAIS:
VEJA O HISTÓRICO DO BRASILEIRO DE TURISMO EM CURITIBA
SAIBA O QUE ACONTECEU DE MELHOR NO EPISÓDIO “CURITIBA” DE “NA CORRIDA”

Senna surgiu na Formula 1 em 84 durante o auge de Piquet, que na época já era bicampeão. Antes de mais nada, digo que na minha opinião ambos foram pilotos geniais, e acho muito difícil que tenhamos no Brasil pilotos igual aos dois.

Senna, que ainda era estreante em 84, mostrou logo de cara um talento excepcional, com uma atuação de gala no saudoso GP de Mônaco, e começou a disputar espaço com Piquet, bicampeão, que tinha que defender seu espaço.

Nesse ano, Piquet teve aquela que foi em minha opinião sua melhor corrida na carreira no GP do Canadá, quando venceu a corrida pilotando a maioria das voltas com o radiador esquentando seu pé direito.

Então veio o ano de 1985, e Senna consolidou seu talento na Formula 1. Ambos tiveram vitórias magnificas nos GPs de Portugal e França, respectivamente.

Entretanto, a rivalidade entre ambos chegou ao ápice em 1986, quando Piquet assinou com a Williams, e Senna, enfim, teria uma carro competitivo na Lotus. Nesse ano, a disputa por espaço entre ambos chegou em certos momentos passar dos limites, e Senna caiu definitivamente nos gostos dos torcedores com as vitórias nos GPs da Espanha e Estados Unidos. Piquet, por sua vez, fazia uma das melhores temporadas de sua carreira com uma atuação de gala no GP da Hungria. No entanto uma inesperada briga com Mansell impediu o seu título.

Em 87, Piquet chegaria ao tricampeonato em uma temporada marcada pelo grave acidente nos treinos para o GP de San Marino, em que ele perdeu a visão de profundidade.

No entanto, Piquet se adaptou com maestria a sua nova realidade, e correu mais como mecânico do que como piloto, Senna, com mais uma temporada de destaque na Lotus, despertou a cobiça da McLaren. Ao final da temporada, ele assinou com a McLaren, e Piquet resolveu ir para a Lótus com um contrato milionário.

Em 88, a rivalidade entre ambos chegou ao nível insuportável quando Senna desapareceu durante a pré temporada. Ao voltar, quando questionado sobre sua ausência, disse em tom de brincadeira que sumiu para Piquet aparecer um pouco. Em resposta, Piquet disse que o rival havia sumido para não explicar por que não gostava de mulher. Vale lembrar que no mesmo ano Senna obteve o seu primeiro título mundial com grandes atuações.

No inicio dos anos 90, Senna venceu mais dois títulos igualando Piquet como tricampeão mundial. No auge de sua carreira, Senna teve atuações de gala nos GPs do Brasil em Interlagos em 91 (quando venceu com a sexta marcha) e 93 e no GP da Europa em Donington Park (quando fez aquela considerada a melhor volta da história).

Em 91, ano do tricampeonato de Senna, Piquet anunciou sua aposentadoria. Em 93, Senna, com um motor Ford de segunda linha, fez talvez sua melhor temporada na Formula 1, sendo considerado o melhor piloto do ano.

No entanto, mais de 20 anos depois da trágica partida de Senna e da aposentadoria de Piquet, a disputa entre ambos ainda não terminou como mostram as ultimas declarações de Nelson.

Pelo que eu acompanhei das carreiras de ambos, não acho que um tivesse algo pessoal contra o outro. A rivalidade que jamais terminou não foi nada mais do que uma disputa por espaço no coração dos torcedores.

Se Senna tivesse surgido nos dias de hoje e não durante o auge de Piquet naquela época, essa rivalidade não teria chegado a esse ponto com os fãs dos tricampeões discutindo em redes sociais.

Vale ressaltar que a mesma rivalidade aconteceu de maneira semelhante em 2007, quando o o estreante Lewis Hamilton mostrou um talento excepcional disputando espaço com o bicampeão Fernando Alonso.

Assim como com os nossos tricampeões, a disputa entre Alonso e Hamilton jamais terminou…