Tributo a Carlos Alberto Torres

Rafael Ribeiro / CBF

Carlos Alberto Torres nos deixou nesta terça-feira (25). Mas ficam os êxitos e seus ensinamentos ao futebol brasileiro.

A este artigo, não cabe descrever a biografia de Carlos Alberto Torres no futebol, pois estamos falando de um exemplo de jogador, capitão e técnico, o comandante da seleção brasileira que ganhou o tricampeonato mundial no México em 1970 e que marcou um dos maiores gols da história de todas as Copas do mundo, com assistência de Pelé, na final contra a Itália. Ídolo de Santos, Botafogo, Fluminense, Flamengo, e do torcedor brasileiro, sobretudo.P

Infelizmente, para este jovem que vos escreve, não é possível falar muito sobre o jogador Carlos Alberto Torres, pois não tive a sorte de acompanhar sua carreira de êxitos e suas atuações, e sim apenas imagens e registros históricos de sua contribuição imensurável para o futebol brasileiro. Também, falhei na tentativa de conhecê-lo pessoalmente algum dia, algo que não era impossível, pois residíamos na mesma cidade (Rio de Janeiro).

Mas, felizmente, posso descrever sobre o Carlos Alberto Torres comentarista. Graças a um êxito do SporTV em convidá-lo para comentar a Copa do Mundo FIFA 2014, realizada no Brasil, pude escutar e assimilar, desde então, semanalmente, seus ensinamentos futebolísticos, sobre a qualidade de jogo, a tática, a disciplina e a inteligência que os técnicos deveriam executar em suas funções nos times brasileiros.

O “Capita”, como era chamado por seus colegas ex-jogadores e de imprensa, nunca decepcionou na tarefa de transmitir seus ensinamentos na televisão, assim como obteve êxito como jogador e técnico. Carlos Alberto Torres ainda usava sua inteligência para propor verdadeiras e positivas mudanças no trabalho de aprimoramento do futebol brasileiro, realizando debates produtivos na CBF na tentativa de conseguir melhorar a qualidade do futebol brasileiro como um todo, tarefa que talvez tenha sido a mais difícil.

Infelizmente, esta última tarefa foi interrompida com um infarto fulminante. A depender dos comandantes da CBF, os ensinamentos do “Capita”, provavelmente, serão descartados, pois estes jogam contra o esporte. Mas Carlos Alberto Torres sempre jogou a favor, e não falhou nas tarefas de aprimoramento do futebol e de conquistas. Que descanse em paz, nosso capitão eterno do futebol.

 



Vocação jornalística e esportiva desde a infância. Colaborador desde 2015 com matérias/artigos, principalmente nas coberturas do automobilismo, futebol americano e esportes eletrônicos.