Anac teria vetado voo fretado da Chapecoense

Rede Social
Reprodução: Twitter

O Avião que levava a delegação da Chapecoense rumo a Medellin, para disputar a final da Copa Sul-Americana acabou sofrendo um grave acidente. O último número oficial da polícia local é de que 72 pessoas morreram no voo.

O time brasileiro queria partir para a Colômbia em voo fretado porém teve o pedido recusado pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), esta informação foi confirmada pelo presidente de Chapecó, Luciano Buligon, “Nós estávamos previstos para estar nesse voo. Inicialmente a gente iria num voo fretado, mas a ANAC não liberou e nós optamos por ir em voo regular hoje de tarde. Mas voltaríamos nesse voo (que caiu). Esse avião teve um pedido indeferido, porque há um acordo internacional que quando há fretamento de equipes brasileiros só podem ser feito por aviões dos países de origem e destino”. Afirmou em entrevista a TV globo. O prefeito estaria na lista de passageiros do voo porém acabou não embarcando.

LEIA MAIS:
VEJA REPERCUSSÃO ENTRE JOGADORES EUROPEUS APÓS ACIDENTE COM AVIÃO DA CHAPECOENSE
POLICIA LOCAL CONFIRMA 76 MORTOS EM ACIDENTE AÉREO ENVOLVENDO A CHAPECOENSE
VEJA REPERCUSSÃO ENTRE BOLEIROS DO BRASIL APÓS ACIDENTE COM AVIÃO DA CHAPE

O avião caiu a aproximadamente 50 km da cidade colombiana de Medellin, onde seria disputada a final contra o Atlético Nacional, nesta quarta feira. A Chapecoense foi com voo de carreira da companhia boliviana BoA até Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. De lá, pegou o avião fretado da boliviana LaMia que sairia originalmente do aeroporto de Cumbica e que acabou sofrendo o acidente na madrugada desta terça-feira.

A Anac se pronunciou em uma nota oficial à imprensa: “A Agência Nacional de Aviação Civil informa que a empresa boliviana Lamia Corporation solicitou autorização de voo à ANAC para o transporte do time de futebol Chapecoense que faria um torneio na Colômbia. O voo partiria do Brasil para a Colômbia, na segunda-feira, 29/11, segundo a solicitação. O pedido foi negado com base no Código Brasileiro de Aeronáutica e na Convenção de Chigaco, que trata dos acordos de serviços aéreos entre os países. O acordo com a Bolívia, país originário da companhia aérea Lamia, não prevê operações como a solicitada. Complementando a negativa do pedido, a ANAC informou ao solicitante do voo que o transporte poderia ser realizado por empresa aérea brasileira e/ou colombiana, conforme a escolha do contratante do serviço, nos termos dos acordos internacionais em vigor. A ANAC se solidariza com os familiares das vítimas do acidente ocorrido nesta madrugada, 29/11, com o time da Chapecoense nas proximidades de Medellín, na Colômbia.”