Atacante do Vitória revela brincadeira hilária de Renato no Fluminense

Renato
Bruno Haddad/Fluminense.

Confiança em alta, óculos escuros, futevôlei na praia e um pouco de marra. Renato Gaúcho, por onde quer que vá, leva consigo esses atributos e não tem vergonha nenhuma em demonstrá-los. É com a malandragem “do bem” que o treinador tem feito um belo trabalho em sua terceira passagem como técnico no Grêmio, clube onde brilhou na época de jogador profissional.

LEIA MAIS:

Conheça os finalistas do Prêmio Torcedores.com de Mídia Esportiva 2016

Prêmio Torcedores.com terá sua segunda edição em 2016 – e com novidades!

Treinador que fala a língua dos boleiros, Renato substituiu o estrategista e estudioso Roger Machado, que pediu demissão após uma série de maus resultados no Brasileirão. A mudança de perfil fez bem ao Grêmio, que em menos de 15 dias inicia a disputa da grande final da Copa do Brasil com o Atlético-MG. Renato estará em busca do seu segundo título de Copa do Brasil como técnico, feito que obteve no Fluminense em 2007.

Por falar em Fluminense, o atual atacante do Vitória e personagem carismático do futebol brasileiro, Marinho “entregou” o antigo treinador. O velocista demonstra muita gratidão por Renato, que foi o primeiro treinador a levá-lo ao profissional – isso durante o Brasileirão de 2008, pelo time das Laranjeiras. Mas, nos rachões do tricolor, bobo era quem não tocava a bola para o chefe.

“Ele me deu muitas chances, e eu joguei a Série A já em 2008, com 18 anos. De lá, tudo aconteceu rápido demais. Sou muito grato ao Renato, que é uma figuraça. Ele mandava todo mundo tocar a bola pra ele nos rachões, senão ele falava que não ia escalar (risos). Aí eu passava, né? Tem que respeitar”, disse, em entrevista à ESPN Brasil.

Por enquanto, a gratidão de Marinho segue sendo com o técnico do Grêmio, mas, se seguir nesta batida, provavelmente vai ganhar o carinho da imensa torcida gremista. Isso porque o seu Vitória é o rival direto do Inter na briga contra o rebaixamento e está a um ponto na frente do tradicional adversário do Grêmio.

“Eu dou a vida pelo clube que defendo, pois é o mínimo que posso fazer. Quando visto a camisa, não tem essa de tirar o pé. Pode ter certeza que vou fazer de tudo para que esse clube não caia. O lugar do Vitória é na primeira divisão”.

 



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.