Conheça Luis Fernando, o “Tchê Tchê moderno” da base do Palmeiras

Marcos Bezerra

Desde que chegou ao Palmeiras, o técnico Cuca deixou claro sua preferência por jogadores polivalentes em seu elenco. Até por isso o Verdão, mesmo no decorrer da temporada, foi ao mercado fazer contratações pontuais para resolver o problema. Se no time profissional o Verdão vai “muito bem, obrigado”, bem próximo do título brasileiro, nas categorias de base o desempenho também é promissor.

ESPECIAL:
Prêmio Torcedores.com terá sua segunda edição em 2016 – e COM NOVIDADES!
Conheça os finalistas do Prêmio Torcedores.com de Mídia Esportiva 2016

Em 2016, a molecada do Verdão está na briga pelo título em quatro das cinco categorias do Campeonato Paulista. No sub-20, estamos vendo o jovem Alan Guimarães, de apenas 16 anos, fazendo gol atrás de gol na campanha de semifinal até aqui. Observando a outra ponta da “linha do tempo”, o Palmeiras está ainda melhor – no sub-11 e sub-13, as equipes estão na final do Estadual, e nessa turma o Verdão também observa garotos diferenciados, como é o caso de Luis Fernando, do time com limite para nascidos em 2003.

Com apenas 13 anos, Luis Fernando dos Santos Junior já carrega o fardo de correr com a faixa de capitão do Palmeiras (reveza com um dos zagueiros). Nascido em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, ele se acostumou a acompanhar o pai nos clubes e chácaras por onde o genitor jogava suas “peladas”. De tanto ver seu “velho”, logo o talento veio naturalmente para Luis, ou Nandinho para os mais conhecidos.

CHEGADA AO PALMEIRAS

Quando tinha 10 anos, o menino já passava por avaliações trimestrais tanto na base do Santos quanto do São Paulo. No final de 2013, porém, veio a oportunidade no Palmeiras. Foi apenas necessária uma dessas análises para o clube entrar em contato com o pai e convidar o filhão para se mudar para a Academia de Futebol. Não a da Barra Funda, calma, mas a de Guarulhos, a chamada Academia 2, onde os mais novos treinam.

Em contato com a reportagem do Torcedores.com, o pai Luis Fernando admite que, assim que o filho foi aceito no Palmeiras, o Santos tentou “atravessar” o acordo, mas Nandinho já estava decidido a apoiar pelo time que confiou de cara em seu talento, e justamente para começar em 2014, no ano do centenário do Verdão.

Passados mais de dois anos da escolha, Luis Fernando se consolidou no time comandado pelo técnico Rogério Andrade e impressiona exatamente pela visão de jogo. Tão novo e faz lançamentos na medida para os companheiros, isso sem falar nos dribles ousados e a capacidade de furar a marcação adversária.

TÉCNICA APURADA

Originalmente o camisa 8 joga como meia-atacante, “aquele cara que chega de surpresa na área”, o pai explica, mas também sabe fazer as funções de segundo volante e obviamente de armador, já que bate com as duas pernas. Cuca deverá gostar de ouvir isso, não? Afinal, jogador polivalente sempre é bem-vindo em seus times. O pai de Nandinho revela que até a inspiração do garoto veste verde e branco: Tchê Tchê, que despontou no começo do ano pelo Osasco Audax no Paulistão e se transferiu para o Verdão posteriormente a pedido de Cuca.

Tchê Tchê é titular incontestável de Cuca no Palmeiras. Crédito: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
Tchê Tchê é titular incontestável de Cuca no Palmeiras. Crédito: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

No Verdão de cima, Tchê Tchê é o “motorzinho” que faz o Palmeiras trabalhar sem parar no Campeonato Brasileiro. O comentarista Neto, em entrevista à ESPN Brasil há algumas semanas, disse que o meia do Palmeiras “seria o melhor jogador em atividade do futebol brasileiro”. Ora, no Verdinho então, Luis Fernando não faz por menos.

Na primeira partida da final do Paulistão Sub-13, o camisa 8 marcou duas vezes no empate por 3 a 3 com o Santos, em Guarulhos. Até aqui na competição, Nandinho tem oito gols e é o vice-artilheiro do Palmeiras atrás apenas do atacante Kewen, que tem 13.

Conheça Luis Fernando, uma das promessas da base do Palmeiras:

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.
Facebook: Matheus Martins Fontes.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.