Maradona se irrita com “boato” de ter jogado amistoso por dinheiro na África

Getty Images

Nesta terça-feira, Diego Armando Maradona mostrou tom de irritação em entrevista com a hipótese de ter jogado uma partida festiva na África por dinheiro. O amistoso aconteceu no fim de semana passado em El Aaiún, capital do Saara Ocidental, como parte de celebração dos 41 anos da Marcha Verde, que marcou o início da ocupação do Marrocos na região.

LEIA TAMBÉM:
Lucas Pratto no Palmeiras: saiba porque a negociação é difícil, mas não impossível

Jornal Olé usa declaração de Pratto para provocar seleção brasileira: “Tem medo de Messi”

“El Pibe” disse que participou do evento pelo carinho ao país. “Aqueles que deram esta informação (de pagamento) são mentirosos. Não vim ao Marrocos pelo dinheiro, mas porque o país me encanta”, declarou Maradona ao site local “le360.ma”.

Vários meios de comunicação do Marrocos divulgaram que o ídolo argentino tinha cobrado cerca de US$ 200 mil para estar no país. O jornal “Al-Sabah” acrescentou que a Federação Marroquina de Futebol (FRMF) ainda presenteou o Maradona com dois relógios de luxo (um Rolex e um Hublot), um para si e outro para o filho Diego Maradona Junior.

Funcionários da Federação disseram à agência Efe que Maradona “obviamente” foi pago pelo jogo, mas afirmaram que desconhecem o valor. Foi a segunda vez seguida que o craque da Copa do Mundo de 1986 pela FRMF para jogar a partida entre velhos ídolos africanos contra ex-jogadores do resto do mundo, tudo dentro das atividades de celebração por parte de Marrocos da Marcha Verde.

A partida terminou com vitória por 4 a 3 do resto do mundo, que teve brasileiros como Mauro Silva, César Sampaio, Edmilson, Marcos Assunção, Rivaldo, Paulo Sérgio, Edmundo e Luizão.

Em suas últimas declarações, pouco antes de viajar a Dubai, Maradona disse que “gostaria de voltar a Marrocos toda vez que tiver a oportunidade, especialmente quando se trata de comemorar o aniversário da Marcha Verde”.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.