Mauro Cezar e Gian Oddi têm discussão acalorada sobre o futebol do Palmeiras na ESPN

Foto: Reprodução/ESPN Brasil

A qualidade do futebol brasileiro, em específico ao praticado pelo Palmeiras, próximo do título brasileiro, voltou a ser tema de debate na ESPN Brasil. Os comentaristas Mauro Cezar Pereira e Gian Oddi tiveram discussão acalorada durante o “Linha de Passe”, no final da noite da última segunda-feira.

LEIA MAIS:
Vitória do Palmeiras rende audiência discreta à Globo
Saiba o que Palmeiras, Flamengo, Santos e Atlético-MG precisam fazer ganhar o Brasileirão 
Apresentador da Globo vê como inevitável o ‘cheirinho verde’ no Brasileirão: “não tem como” 

Mauro, que no dia anterior, já havia discutido asperamente com Antero Greco durante o “Bate-Bola”, voltou a bater na tecla que os clubes brasileiros não têm se preocupado com a qualidade do espetáculo e que o Palmeiras pratica um “futebol rústico”.

“Os técnicos não conseguem apresentar boas equipes, que joguem bom futebol. Quais são as virtudes do Palmeiras? É um time extremamente concentrado, que se defende bem e briga muito. No domingo, o jogo (contra o Inter) foi mais brigado do que jogado. Foi a definição do Celso Roth e eu assino embaixo. É um time que tem boas jogadas ensaiadas de bola parada, com lateral, cruzamento ou bola rolando e que treina bem os fundamentos, mas é um futebol rústico, não é um futebol que se possa admirar”, iniciou Mauro.

“Se o campeonato fosse exibido para a Europa inteira, eu duvidaria que jogos como os de domingo (Palmeiras x Inter) tenham o mínimo atrativo como por exemplo alguns jogos que a gente mostra aqui que tem um grande apelo para um público que não acompanhava futebol internacional e passou a acompanhar porque viu que os jogos são bons”, completou.

“A discussão do jogar bonito…”, interrompeu Oddi.

Os ânimos se exaltaram.

“Você está usando palavras que eu não usei”, rebateu Mauro.

“Não estou falando nada do que você falou. Em outro programa, você disse: ‘Não estou exigindo que os times joguem bonito. Estou exigindo que joguem bem e jogar bem significa não correr riscos’. O jogo de domingo, num certo sentido, o Palmeiras fez o gol e soube se defender. Saber se defender é jogar bem. Eu já te ouvi falando isso várias vezes. Quando você não dá oportunidade ao adversário como foi o Corinthians de 2012, é jogar bem. Não era um time brilhante, mas não corria riscos. Jogo do Palmeiras contra o Inter foi melhor que os jogos contra Coritiba e Sport quando criou mais chances, mas correu riscos até o último minuto”, argumentou Oddi.

“Porque os (outros) adversários jogaram melhor que o Internacional. O Sport teve mais posse de bola, finalizou mais que o Palmeiras. O Coritiba, na parte final do jogo, também conseguiu criar mais. O Inter não foi capaz. Tem um elenco bom, mas um time ruim e mal treinado”, respondeu Mauro.

O apresentador Paulo Andrade questionou se o Leicester, atual campeão inglês jogou bem. Para Mauro, a comparação é injusta, pois o modesto time que surpreendeu o mundo na temporada 2015/2016 não tem a mesma força de grandes brasileiros.

“Futebol rústico. A comparação do Leicester com o Palmeiras beira a desonestidade. Os três times que vieram da segunda divisão inglesa tinham os piores orçamentos. Acima dos três, aparecia o Leicester, que foi campeão. O Palmeiras e o Atlético-MG têm os maiores orçamentos, o Flamengo e o Internacional estão próximos disso, então não dá pra comparar. Leicester é um time pequeno, que montou um time competitivo e foi campeão. Tirou proveito da temporada ridícula de grandes clubes com grandes investimentos. Chelsea e Manchester United foram ridículos, Manchester City com mais baixos do que altos, Arsenal fraquejando… Não podemos comparar o Leicester com os times mais poderosos do Campeonato Brasileiro”, reforçou.

Oddi destacou a regularidade do clube inglês durante todo o campeonato e destacou que o time jogou bem, considerando a diferença de tamanho para os grandes clubes do país.

“Dentro de suas possibilidades, o Leicester jogou muito bem, ganhou quase todos os jogos da mesma maneira, sabendo o que estava sabendo. No conceito de jogar bem e não jogar bonito, o Leicester não jogava e nunca jogou bonito, mas jogou bem durante todo o campeonato”, encerrou.

Assista ao debate:



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)