Opinião: Que Interlagos não viva uma despedida no domingo

Propor o fim do autódromo de Interlagos é um grande absurdo, motivado por desinformação, ou apenas maldade.

Receber uma corrida da Fórmula 1 é um símbolo de vitória para qualquer país. As consequências posteriores ao evento podem ser positivas ou negativas, mas entrar no calendário da maior competição automobilística do mundo significa ter exposição internacional, promoção do turismo no país e, consequentemente, movimentação de muito dinheiro com mídias, patrocinadores, apoiadores, dentre outros. No Brasil, a situação não é diferente, e por anos o GP de Interlagos, em São Paulo, corresponde bem ao seu papel nas funções citadas anteriormente. Todavia, infelizmente, alguns querem acabar com o GP de Interlagos.

Cogitar-se isso é um absurdo. Primeiramente, seria uma grande facada num patrimônio esportivo do Brasil e cultural de São Paulo. O autódromo de Interlagos não recebe apenas a Fórmula 1, mas também recebe corridas de competições nacionais, como o Brasileiro de Turismo, a Stock Car, o Superbike, dentre outras competições. É o autódromo mais icônico hoje no Brasil, e por isso o fim de sua existência significaria uma perda irreparável para o esporte brasileiro.

Depois, haveria a perda de investimentos em um setor no Brasil. A etapa brasileira da Fórmula 1 sempre movimenta muito dinheiro, com investidores, mídia, turismo, ingressos. Enfim, é uma “máquina” de dinheiro para o país e para a cidade de São Paulo. O fim de Interlagos significaria o fim de um GP brasileiro no calendário da Fórmula 1, prejudicando o país das formas já citadas, esportivamente e financeiramente.

O motivo pelo qual o novo prefeito da cidade de São Paulo, João Dória, busca promover o fim do GP de Interlagos seria de que o “autódromo gera prejuízos para as contas do governo por causa da manutenção mensal”, e por isso o mesmo propôs privatizar o espaço, colocando fim no autódromo e gerando edifícios no local. Entretanto, o mesmo parece ter esquecido das várias corridas que são realizadas no autódromo, sem contar o Lollapalloza, evento musical realizado de forma bianual no autódromo.

Por isso, a comunidade automobilística tem que se juntar para tentar barrar esta loucura, sem aspas mesmo. Não deixemos que este seja a última corrida em Interlagos, jamais, independente do sujeito que propor tal absurdo. Já basta termos a despedida de Felipe Massa no próximo domingo (13), não precisamos vivenciar a despedida do autódromo de Interlagos também.


Lembrando que, este desejo de encerrar com o autódromo, já chegou nos bastidores da F1, que pode levar ao cenário da manutenção do autódromo mas do fim do GP Brasil na F1 a partir do ano que vem.



Vocação jornalística e esportiva desde a infância. Colaborador desde 2015 com matérias/artigos, principalmente nas coberturas do automobilismo, futebol americano e esportes eletrônicos.