Opinião: Santos, eterno refém do Dorival Junior

Com foco em zagueiro, Dorival diz que quer cinco reforços para o Santos em 2017
Foto: Ivan Storti/ Flickr oficial do Santos FC

Ele não é o Girafales mas se tornou o eterno professor da vila? Não é de agora que Dorival Junior vem mantendo um relacionamento sério com o Santos, embora uma parte da torcida praiana ainda demonstram um certo descontentamento com o trabalho do professor? 

LEIA MAIS:
SANTOS TEM NEGOCIAÇÕES AVANÇADAS PARA RENOVAR PATROCÍNIO COM A CAIXA
SAIBA QUANTO O SANTOS RECEBERÁ DA CBF CASO SEJA CAMPEÃO BRASILEIRO

Entre trancos e barrancos sempre manteve uma postura profissional, tanto com os jogadores quanto com a diretoria. Quanto ao seu trabalho, não estava rendendo, era muito “homem” para pedir demissão. Mas nem todo respeito que o mesmo tinha para com a diretoria e principalmente com o torcedor não foi correspondido, mesmo com um bom retrospecto no comando. A cobrança sempre veio mas os pedidos tão pouco foram sanadas.

O Santos de Dorival neste campeonato foi o mais injustiçado com a agenda da CBF, em boa parte do campeonato. O alvi-negro praiano cedeu pelo menos três jogadores para a seleção: Lucas lima e Gabigol (antes de ser vendido “precocemente” para o futebol italiano) e os garotos olímpicos como Zeca e Thiago Maia. O torcedor ficou “descontentado”.

Ser cobrado após um empate em casa contra o time reserva do Grêmio e uma eliminação para o time reserva do Internacional é comum, mas haver uma cobrança do presidente Modesto Roma com um time que ocupava a 4° colocação do Brasileirão, um time injustiçado pela CBF, um elenco bom porém limitado e mesmo assim bem colocado, não é comum.

Depois do empate contra o Grêmio em casa, o cargo do Dorival era uma incógnita. E quem pensou que o professor iria deixar a vila se enganou. E a resposta veio no jogo seguinte, fora de casa contra a Chapecoense. 1 a 0 para calar os críticos e restaurar a confiança diante da torcida. Mas não foi suficiente, bastou uma vitória diante do rival e líder Palmeiras para ser visto com outros olhos e afirmar de vez um relacionamento fixo no clube.

Mas o que era bom, melhorou. Fora de casa contra a Ponte Preta, o Peixe mostrou mais uma vez que tem poder suficiente para bater as barbatanas mais longas.