Saiba quanto o Galo deixará de arrecadar caso fique fora do G3 do Brasileirão

Bruno Cantini/CAM

Com a derrota frente ao Coritiba por 2 a 0 no último domingo, as chances do Atlético-MG de conquistar o Campeonato Brasileiro diminuíram bastante. Neste momento, a diferença sobre o líder Palmeiras é de 10 pontos faltando apenas 4 rodadas para o término da competição nacional. Sabedor do investimento pesado feito durante a temporada para qualificar o elenco, o presidente do clube, Daniel Nepomuceno, fez duras críticas ao grupo de jogadores após o revés na capital paranaense e disse ser obrigação terminar entre os três melhores na tabela e conquistar a Copa do Brasil. 

LEIA MAIS:

COFRE CHEIO! CAMPEÃO BRASILEIRO RECEBERÁ BOLADA EM PREMIAÇÃO; VEJA OS VALORES

DECLARAÇÕES DE JORNALISTA GAÚCHO GERAM REVOLTA DE ATLETICANOS NAS REDES SOCIAIS; VEJ

“Ridículo o jogo. Essa postura é inadmissível. Passadas essas 48 horas de folga, acabou a brincadeira, tem que mudar a postura, tem que querer ganhar sempre. E vamos cobrar sempre. Investimento que foi feito, desde a comissão técnica até o roupeiro do Atlético sabem ganhar, foram campeões. Agora é isso, não vai ter folga não. Folga nenhuma. É inadmissível ficar fora desse G3, é inadmissível perder esse título. É cobrar, cobrar e cobrar”, falou o presidente para a Rádio Itatiaia.

Jogadores como Robinho, FredCazares, Otero, Clayton e Carlos Eduardo tiveram um custo considerável nos cofres atleticanos. A diretoria sempre deixou claro que para balancear as receitas era preciso vender algum atleta. Douglas Santos acabou negociado com o Hamburgo, da Alemanha, em uma transação que girou em torno dos 7 milhões de euros. Contudo, o clube permanece com um percentual do lateral e poderá lucrar em uma transferência futura de Douglas para outra equipe.

Com a base do ano passado praticamente mantida e incorporada a outras contratações, a cúpula alvinegra não contava com alguns tropeços no caminho. Como no Campeonato Mineiro ao perder o título para o América-MG e também a eliminação precoce para o São Paulo, na Libertadores da América. Mesmo com o Brasileirão mais distante, o discurso na Cidade do Galo é de lutar até o final. Ficar fora do G3 causaria um prejuízo financeiro enorme.

A emissora responsável pelos direitos de transmissão, pay-per-view e outras mídias, vai investir R$ 60 milhões na premiação aos 16 melhores times, sendo repartido entre eles. Apenas aqueles que foram rebaixados não receberão a bonificação. Em relação ao Brasileirão de 2015, houve um aumento de 70% para o primeiro colocado e 69,84% para o segundo lugar.

Confira abaixo os valores da premiação até o 6º lugar. CLIQUE AQUI e veja a lista completa.

Campeão: R$ 17 milhões

Vice-campeão: R$ 10,7 milhões

3º lugar: R$ 7,3 milhões

4º lugar: R$ 5,3 milhões

5º lugar: R$ 3,850 milhões

6º lugar: R$ 2,6 milhões

Sobre a Copa do Brasil, o Campeão ganhará R$ 6 milhões. Já o vice leva para casa R$ 2 milhões.

Em meio a tudo isso, a cúpula alvinegra vive a sombra de perder outros jogadores. O mais visado no mercado é o argentino Lucas Pratto. A patrocinadora do Palmeiras, a Crefisa, estaria disposta a injetar um caminhão de dinheiro para tirar o “Urso” do Atlético. Outros vivem a angústia da renovação de contrato. Segundo Nepomuceno em declaração recente ao Fox Sports, garantiu que Leonardo Silva e Leandro Donizete são prioridades e devem continuar em 2017.

*Siga o autor em sua nova conta no TWITTER e acompanhe as informações do Galo