“Sanca” promove intercâmbio na Superliga

Foto: Divulgação/ Facebook Oficial Superliga

Essa temporada da Superliga feminina de Vôlei não tem um representante na parte mais alta do país. O último que chegou mais perto da região Norte, foi a equipe nordestina do Maranhão/CEMAR (MA), que jogou na elite em 2014/2015, terminou na 11º posição e caiu para a Superliga B, não conseguindo retornar à “série A” por falta de investimento.
PRÊMIO TORCEDORES.COM DE JORNALISMO COLABORATIVO
Prêmio Torcedores.com terá sua 2ª edição em 2016
Conheça os finalistas do prêmio Torcedores.com de mídia esportiva 2016

Pensando em mudar o eixo, o mandante São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP) – que participou de todas as edições da Superliga – propôs um intercâmbio na competição. Duas rodadas da Superliga serão disputadas na Arena Amadeu Teixeira, em Manaus/AM. Os adversários, nada menos que o Dentil/Praia Clube (MG) e o Rexona/Sesc (RJ), finalistas da última edição do campeonato e também da Copa do Brasil. O primeiro confronto será nessa sexta-feira diante do time do técnico Ricardo Puccini, que relevou estar honrado por sair do comum.

– Para nós, é uma satisfação muito grande jogar em Manaus. A região norte faz um trabalho bom no voleibol, as seleções da região norte, seleções estaduais, sempre participam do Brasileiro. Vai ser uma honra muito grande jogar lá. Vamos conhecer um público diferente, uma região diferente, e levar o voleibol. Acho que quanto mais a gente difundir o voleibol no Brasil, melhor para nós. Estamos muito felizes por jogar lá.

A bicampeã olímpica Fabiana utilizou as redes sociais para convidar o público e disse que essa iniciativa é muito legal. O São Caetano não quer fazer feio e se reforçou com nomes de peso para os jogos, como o retorno da levantadora Diana.

Mudar o eixo regional é essencial para a dispersão da modalidade no Brasil, que aos poucos vem ganhando o seu devido destaque na mídia. O Rio do Sul (SC) e o Terracap/BRB/Brasília Vôlei (DF) são grandes representações disso, as únicas equipes participantes da Superliga da região Sul e Centro-Oeste, respectivamente. Já a região Sudeste possui todas as demais equipes, 10. Só o estado de São Paulo tem 41% dos participantes, que equivalem a 5 equipes: Vôlei Nestlé, E.C. Pinheiros, Genter Vôlei Bauru, Renata Valinhos/Country e Sesi-SP.

Questões financeiras sempre estarão relacionadas, é no fluxo das grandes metrópoles que todos os patrocinadores querem estar, porém com esses intercâmbios, a difusão do voleibol muda o cenário e atinge uma diversidade muito importante para a modalidade.