Você sabia? Destaque do Vitória já teve passagem pelo Vasco

Palmeiras
Foto: Divulgacao/Vitoria

O Vasco ainda briga para confirmar o retorno à Série A em 2017 e a limitação do atual elenco é encarado pela torcida e também comissão técnica como um dos fatores que tem dificultado a vida do técnico Jorginho para conquistar o principal objetivo na temporada.

LEIA MAIS:

COM TRÊS DESFALQUES, VEJA A PROVÁVEL ESCALAÇÃO DO VASCÃO PARA ENCARAR O LUVERDENSE
VEJA A COMO FICA A CLASSIFICAÇÃO VASCAÍNA APÓS A 34ª RODADA DA SÉRIE B
MERCADO DA BOLA: GIGANTE DA COLINA RESCINDE CONTRATO DE ZAGUEIRO

E um dos destaques do Brasileirão deste ano, o atacante Marinho, do Vitória, clube que pode fazer o caminho inverso do Vasco e descer à Série B, foi pedido pelos torcedores cruzmaltinos recentemente para ser um reforço para 2017.

Porém, o que pouca gente sabe é que o atacante de 26 anos já teve uma passagem pelo clube quando ainda era juvenil, mas resolveu não ficar. O destino dele acabou sendo o rival Fluminense.

Alagoano da cidade de Penedo, Marinho revelou como foi o início de sua carreira em uma entrevista para a Rede TV, em 2015, onde falou das dificuldades que passou na infância e sobre sua trajetória no futebol.

Entre as curiosidades, o jogador revelou ainda passagem pelo Santos, que torce do Palmeiras e que recusou uma proposta do Flamengo.

Eu fugi de lá [Santos], não quis ficar. Eu tinha recebido uma ligação de um pessoal que estava em Alagoas na Copa do Nordeste sub-20 e me viram jogar. E falaram que tinham o interesse de me levar para o Rio, e eu já não estava gostando tanto de Santos. E então eu fui para o Rio. Fiz um teste no Vasco e estava assistindo um jogo deles no juvenil e não gostei do time. Disse que não queria ficar. Tive a oportunidade de ir para o Flamengo também e eu falei que meu pai e minha irmã são flamenguistas e eu não gosto. Eu sou palmeirense. Quando eu vi o Flamengo ganhar do Palmeiras, quando era criança, chorei bastante. No Fluminense, eu gostei do time na base e aceitei o desafio de fazer o teste“, lembrou Marinho.