Destaque do Flamengo, Willian Arão quebra marca dos 100 desarmes no Brasileirão

Getty Images

Um dos destaques do Flamengo em 2016 não faz tantos gols, tampouco dá passes açucarados para os companheiros balançarem as redes. Mas quietinho, quietinho, o volante Willian Arão fez a torcida rubro-negra logo esquecer que defendeu o rival Botafogo no ano passado e tratou de convencer em campo. O camisa 5 é um dos jogadores que mais atuou pelo clube ao longo da temporada, e no Campeonato Brasileiro vem alcançando números expressivos.

LEIA TAMBÉM:
Projeção: vantagem do Palmeiras para o Flamengo tende a diminuir na próxima rodada
Flamengo vê estádio próprio como alternativa à Maracanã e dirigentes vão sobrevoar terrenos no Rio

Ainda na briga pelo título, Flamengo assegura vaga para a Libertadores de 2017
Guerrero revela estar com dores e fala da chance de jogar com Leandro Damião no Flamengo

Após a 34ª rodada, Arão se tornou o primeiro jogador nesse Brasileirão a completar três dígitos no número de desarmes certos. Terminado o clássico contra o Botafogo, o volante rubro-negro somou 100 roubadas de bola no campeonato. O segundo colocado na lista é o lateral-direito Fagner, do Corinthians, com 95 desarmes.

Mas se engana quem pensa que Willian Arão faz o perfil do antigo volante “destruidor”. No ataque, ele também apresenta estatísticas interessantes – o camisa 5 do Flamengo é o quarto jogador que mais acerta passes no Brasileirão. São 1.533 toques certos na bola, superado apenas por Cícero, do Fluminense, Renato, do Santos, e Victor Ferraz, também do Peixe.

Até aqui, Arão disputou 58 jogos pelo Flamengo, com sete gols, oito assistências e 143 desarmes. No quesito disciplinar, o volante rubro-negro não foi expulso nenhuma vez em 2016, e só cumpriu suspensão por cartões amarelos em uma única oportunidade no Brasileirão.

Seguem os dados do site Footstats sobre Arão:

Captura de Tela 2016-11-08 às 17.28.36

Captura de Tela 2016-11-08 às 17.28.24

Captura de Tela 2016-11-08 às 17.27.57



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.