2016, o ano maravilhoso de Conor McGregor no UFC

Reprodução/Facebook Oficial UFC

O UFC viveu um ano cheio de emoções e disputas, além de grandes lutas. E no rol de destaques da temporada, um nome surge como o maior de todos, seja pelas vitórias e conquistas, seja também pelas frases de impacto, provocações e brigas. Sem dúvida, 2016 foi o ano da consagração definitiva de Conor McGregor no UFC.

Dois cinturões, lutas épicas, recordes quebrados e confusões diversas na vida do ‘Notorious’ durante o ano que está acabando. E o Torcedores.com faz uma retrospectiva dos principais momentos do irlandês no UFC.

LEIA MAIS

EXCLUSIVO: FALCÃO ELEGE PIOR MOMENTO DA CARREIRA

DIVULGAÇÃO DE DOCUMENTO ACIRRAM ÂNIMOS NO ‘CASO VICTOR RAMOS’

Depois do cinturão, outro cinturão?

No final de 2015, McGregor precisou de meros 13 segundos para chocar o mundo e vencer José Aldo no UFC 194, assim conquistando o cinturão dos penas da organização. Mas quando se pensava que ele estaria ali para dominar a divisão, o irlandês decidiu mostrar que tinha outros planos em mente.

O ‘Notorious’ foi escalado para lutar pelo cinturão dos leves, então em posse de outro lutador brasileiro, Rafael dos Anjos. Mas poucas semanas antes da luta, o brasileiro se lesionou e teve de ser retirado da luta. Para seu lugar, foi chamado o americano Nate Diaz.

Nasce uma rivalidade

Foram duas lutas entre Nate Diaz e Conor McGregor, ambas na categoria dos meio-médios, exigência do americano desde a primeira luta para que ele pudesse ter tempo de treinar e bater o limite da categoria sem maiores problemas.

A primeira luta causou um dos resultados mais chocantes da história do Ultimate. O até então imbatível irlandês perderia sua primeira luta dentro da organização, sendo finalizado pelo americano em um combate épico e que acabou gerando uma segunda luta.

A revanche aconteceu em agosto no UFC 202. Desta vez, o ‘Notorious’ afinou seu jogo de chão e conseguiu deter os avanços de Diaz para uma vitória em decisão majoritária dos jurados. Uma terceira luta vem sendo especulada mas nada foi confirmado até o momento.

As Coletivas

Se nos ringues, Conor McGregor teve momentos bons e ruins, nas coletivas foi só alegria para o campeão. Provocações, declarações fortes, polêmicas e até guerra de garrafas d’água e roubo de cinturão aconteceu para o ‘Notorious’, que mais uma vez se tornou o MITO da promoção. A não ser por uma multinha na coletiva do UFC 202, tudo ficou certo para ele.

Sem evento, sem luta

No entanto, a segunda luta entre o irlandês e Diaz deveria ocorrer em julho, no UFC 200. Mas bastou McGregor ‘dar bolo’ em um evento promocional para se dedicar aos treinos que Dana White resolveu ‘cortar as asinhas’ do campeão e retirá-lo do card.

E ai quase que a coisa desandou. Anúncio de aposentadoria (para depois voltar atrás), ameaça de lutar boxe com Floyd Mayweather, declarações… por sorte os dois lados se ajeitaram e a revanche com o americano pode normalmente acontecer depois.

Enfim, o segundo cinturão

A megaestrela tanto pediu que ganhou do Ultimate uma nova chance de lutar pelo título dos leves. Foi no UFC 205, quando enfrentou Eddie Alvarez na histórica estreia da organização na cidade de Nova York. Com direito a se tornar a estrela da noite.

E que noite! Sem permitir que o rival conseguisse usar o jogo de chão, McGregor embalou mais um nocaute em cima do rival, se tornou o primeiro atleta a manter dois cinturões ao mesmo tempo no UFC (ainda que o dos penas tenha sido retirado em seguida) e fez história no MMA.

Recordes quebrados

Fora as conquistas nos octógonos, o irlandês também trouxe para si uma série de recordes no Ultimate. A vitória sobre Alvarez UFC 205 se tornou, de acordo com Dana White, o evento com maior número de vendas no pay-per-view (ainda que nenhum número foi divulgado de forma oficial) e a revanche contra Nate Diaz no UFC 202 se tornou a segunda maior venda de pay-per-view da organização (pouco mais de 1,6 milhões).

No evento do Madison Square Garden, também foram estabelecidos os recordes de público em eventos no UFC que não sejam em estádios (20.427) e uma renda de US$ 17,7 milhões, a maior da história do local para eventos ligados a luta, além de outras marcas.

(Crédito da foto: Reprodução/Facebook Oficial UFC)



Um homem que acredita ser jornalista, escritor e 'chato'. Decidam vocês qual será a opção escolhida Formado na Universidade Metodista de São Paulo. No Torcedores desde 2016 ou algo pareciod.