Rebaixado com o Inter, Lisca lamenta derrota para o Corinthians e detona a arbitragem

Inter
(Photo by Friedemann Vogel/Getty Images)

Com o rebaixamento para a Série B confirmado, o técnico Lisca não permaneceu no Internacional para a temporada 2017. Ele chegou faltando três rodadas para o final da primeira divisão com o objetivo de tirar o Inter da zona de rebaixamento e não conseguiu.

Em seu comando, o Inter perdeu para o Corinthians, venceu o Cruzeiro e empatou com o Fluminense, na partida que decretou a queda. Em pouco tempo de trabalho, o clube acreditou que o fator motivacional fosse o suficiente para escapar da queda.

Leia mais: Dirigente do Internacional não crê em mais contratações neste ano

O ex-treinador do Inter já havia comentado que lamentava a derrota para o time paulista, que aumentaria as chances do Inter para escapar do rebaixamento, caso o empate permanecesse.

Em entrevista ao portal Globo Esporte, o treinador voltou a lamentar o revés para o Alvinegro, principalmente pela forma polêmica que a partida terminou, com um pênalti para o time de Itaquera que causou discussões. Para o treinador, a marcação da penalidade foi absurda e ele acredita que foi importante para decretar o rebaixamento:

“Já foi falado bastante. Para mim é complicado falar, é difícil falar que foi legal. O objetivo era sair do rebaixamento. Foi totalmente atípico, pouco tempo. Não tem muito que falar. Da minha parte, conseguimos fazer quatro pontos, aproveitamento de 44,7%. Era uma prazo curto. Era uma situação bem atípica, eu estava passando por um momento bom. Parecia que estava nadando contra uma corrente, com os jogadores em outra situação. Esse negócio do tribunal, STJD, barricada para a torcida não se aproximar dos atletas. Um pênalti que não existiu, é difícil até reclamar. Vendo aquele pênalti hoje (contra o Corinthians), é difícil de aceitar, não há penalidade. Um lance totalmente atípico e que praticamente nos rebaixou. E o Inter nem podia reclamar. O quarto árbitro chegou pra mim e disse “vai dizer que é por causa desse pênalti que vocês estão assim”. Até saí de perto. O próprio Oswaldo de Oliveira admitiu que não foi nada.”

Mesmo se tivesse vencido o Flu na última rodada, o Inter seria rebaixado. O Vitória até perdeu para o Palmeiras, resultado necessário, mas o placar não. O Inter precisaria tirar uma diferença no saldo de gols que teria de golear os cariocas ou torcer para que os baianos fossem goleados.

Toda a situação de dificuldade já era do conhecimento dos jogadores. O próprio treinador afirma que quando chegou ao clube, o clima de tensão estava sobre o Beira-Rio e isso atrapalhou mais ainda os planos de se salvar da segunda divisão:

“Era um jogo decisivo. Com a derrota, nem com outras duas vitórias teríamos garantia para permanecer, sem depender de outros resultados. Aquele pênalti atrapalhou bastante, a gente precisava ganhar ou, no mínimo, empatar. Teve a vitória contra o Cruzeiro, a tragédia da Chape, que mudou todo o curso do campeonato. Nem com a vitória na última rodada conseguiríamos nos salvar. Os jogadores ficaram estressados, ficaram bem abalados.”

 



Jornalista formado pela FIAM-FAAM. Setorista do Internacional e do Fluminense no Torcedores.com. Também escreve sobre o Palmeiras no site. Contato: mohamed.nassif12@hotmail.com