Tênis: Retrospectiva US Open 2016

Crédito da Foto: US Open Site Oficial / USTA

Em um torneio que parecia que os confrontos realizados nos jogos Rio 2016 iriam se repetir a grande surpresa foi o “Rei das Finais” Stan Wawrinka que levou o seu 3 Grand Slam para casa. Já no torneio feminino veio a confirmação do número um do mundo para a vencedora, a alemã, Angelique Kerber. Dessa vez o Brasil também teve um protagonista entre os grandes.

Leia mais:

Tênis é o vigémiso-segundo esporte do país

Tenista do MT vence torneio na Colômbia

Rogério Dutra atinge o melhor ranqueamento do sua carreira

Mal acabaram as emoções dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e no dia 29/08 começou o último Grand Slam de 2016, o US Open.

Caso você não esteja familiarizado com o tênis os mais importantes torneios de uma temporada são os Grand Slam. São apenas quatro. Austrália Open, Roand-Garros na França, Wimbledon, na Inglaterra e o US Open. Este último começou a ser disputado em 1881 na cidade Rhode Island e em 1919 foi transferido para a cidade de Nova York, onde é disputado até hoje, na maior quadra de tênis do mundo, o Arthur Ashe Stadium com capacidade para 23200 espectadores.

Agora que você já está familiarizado, vamos lembrar como foi o torneio masculino deste ano. Havia uma grande expectativa pelo desempenho do atual número um do mundo Andy Murray após a conquista do ouro olímpico em uma quadra rápida, as mesmas características do piso das quadras do complexo Billie Jean King National Tennis Center. Murray até estava indo bem, vencendo os dois primeiros rounds com certa facilidade, tendo um pouco mais de dificuldade contra o italiano Paolo Lorenzi, onde precisou de 5 sets e dois tie breaks para vencer a partida em 3h16m. Situação um pouco diferente de Kei Nishicori que até o terceiro round precisou de 4 sets para avançar no torneio.

Em outra chave, o número um do mundo Novak Djokovic, que nos jogos Rio 2016 pegou logo de cara a pedreira argentina Del Potro e após dois erros foi eliminado na primeira rodada, teve seu caminho muito facilitado até a terceira rodada. Venceu na primeira rodada 3 sets a 2 com 1 tie-break contra o tenista polonês Jerzy Janowicz e nas duas rodadas seguintes avançou por desistência dos adversários.

Chegamos então a quarta rodada com todos os grandes nomes do tênis atual, classificados. Apenas no confronto entre o espanhol Rafael Nadal (atual número 9) e francês Lucas Pouille (atual número 15), Nadal não confirmou o seu favoritismo e perdeu por 3 sets a 2 em um jogo disputadíssimo.

Nas quartas de finas onde começamos a ter os grandes confrontos do torneio, Djokovic chegou à final após desistência do francês Tsonga no terceiro set e após derrotar o também Gael Monfils na semifinal. Vale lembrar que a França foi o único país a colocar nestas quartas-de-final mais de um jogador, totalizando três.

Muitos apostavam que neste ano poderíamos ter a final entre os dois primeiros tenistas do ranking da ATP, ou até mesmo um grande jogo entre Del Potro e “Djoko” em uma espécie de revanche dos Jogos Olímpicos Rio 2016, mas não foi isso que os deuses do tênis estavam planejando. Del Potro foi derrotado pelo suíço Stan Wawrinka que logo em seguida derrotou o japonês Kei Nishicori, que derrotou Andy Murray nas quartas-de-finais por 3 sets a 2 após uma instabilidade de Murray com a arbitragem.

Wawrinka chegou então a sua décima primeira final e possuía a incrível marca de nunca ter perdido uma sequer, diferentemente de Djokovic, um habitué de finais de Grand Slam. O grande favorito era Djokovic mas foi Wawrinka que chegou a final jogando e jogando bem todos os jogos. Apesar disso, Wawrinka teve muito trabalho para derrotar Djokovic por 2 sets a 1, em um jogo de 3:54 minutos, e levar para casa seu terceiro título de Grand Slam, faltando apenas vencer o torneio de Winbledon para conseguir o seu Career Slam (quando o tenista conquista ao menos uma vez cada um dos torneios de Grand Slam) e mantendo a escrita de “Rei das Finais”.

Já o torneio feminino teve como destaque a recuperação das gêmeas Serena e Vênus Willians que foram o grande fiasco do torneio feminino dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Vênus avançou até a quarta rodada e Serena conseguiu chegar às semifinais, mas duas derrotadas pela finalista, Tcheca, Karolina Pliskova.

Quem gostou bastante da derrota de Serena Willians nas semifinais foi a alemã Angelique Kerber que derrotou a dinamarquesa Caroline Wozniacki nas semifinais por facílimos 6-4 e 6-3 e mesmo que perdesse para Pliskova, garantiria o número um no rank da WTA.

A final entre as Pliskova e Kerber foi bem emocionante e disputada. O primeiro set foi vencido por Kerber por 6-3, mas Pliskova reagiu vencendo o segundo set por 6-4 e o terceiro e último set foi vencido por Kerber pelos mesmos 6-4. Este é o segundo título de Grand Slam de Angelique Kerber na sua carreira profissional.

Apesar de ser menos badalado que os títulos individuais, o Brasil fez bonito nas quadras do US Open ao ter Bruno Soares em dupla com Jamie Murray (irmão de Andy Murray) como vencedores do torneio de duplas masculinas. É o segundo título de Grand Slam dessa dupla.

Já nas duplas femininas uma das lendas das quadras a suíça Martina Hingis, que faz dupla com a americana Coco Vandeweghe, foram derrotadas nas semifinais pela dupla francesa Caroline Garcia e Kristina Mladenovic, mas quem levou mesmo a melhor foi a dupla formada pela Tcheca Lucie Safarova e pela americana Bethanie Mattek-Sands. Para finalizar a dupla mista vencedora foi formada por Laura Siegemund da Alemanha e Mate Pavic da Croacia.