3 lições que a eliminação da Taça Guanabara deu ao Botafogo para a Libertadores

Botafogo
Crédito de imagem: Site oficial do Botafogo.

O Botafogo foi eliminado da Taça Guanabara, o primeiro turno do campeonato carioca, de forma precoce no último domingo, quando perdeu o clássico para o Flamengo, por 2×1. Em paralelo ao campeonato carioca, o Botafogo luta para entrar na fase de grupos da Taça Libertadores da América, e seu próximo adversário, será a tradicional equipe do Olimpia do Paraguai, nesta quarta-feira, no Estádio Nilton Santos. Para não repetir os mesmos erros cometidos na competição estadual, o torcedores.com traz 3 lições que a eliminação da Taça Guanabara deu ao Botafogo para a Libertadores.

LIÇÃO NÚMERO 1

Não subestime seu adversário, nem crie nenhum “oba oba” devido a algum resultado. Após a vitória no amistoso da pré temporada, onde o Botafogo venceu com muita facilidade a equipe do Rio Branco-ES, criou-se um “oba oba” da torcida do Botafogo, e três dias depois, na estreia do Estadual, um choque de realidade com a derrota por 2 x 0 para o tricolor suburbano. Independente do jogo ou adversário anterior, o time deve sempre entrar com o mesmo foco e concentração e principalmente, sem olhar o adversário.

 

LEIA MAIS

 

OPINIÃO: O RESULTADO FOI O QUE MENOS IMPORTOU

 

LIÇÃO NÚMERO 2

Fazer a lição de casa. O Botafogo não fez a lição de casa na Taça Guanabara e deu no que deu. Dos 3 jogos em casa disputados pelo campeonato carioca, foram 1 vitória, 1 empate e 1 derrota, o que culminaram com a eliminação do glorioso. Em contra partida, pela Libertadores, o time venceu os chilenos do Colo Colo por 2×1 e levaram uma importante vantagem para o Chile, onde conseguiram o empate e consequentemente a classificação. Logo, para ter sucesso na competição continental, é necessário fazer o dever de casa.

LIÇÃO NÚMERO 3

Contra o Macaé, pela terceira rodada da Taça Guanabara, o Botafogo conseguiu a vitória com um gol aos 53 minutos do segundo tempo. Isso mostra que, o time realmente se entrega até o último minuto e não pode ser diferente, principalmente na Copa Libertadores da América. Com certeza, essa lição foi bem assimilada pelos jogadores.