Baptista faz alerta sobre comportamento do Palmeiras na Libertadores

Palmeiras
Foto: Reprodução/Twitter

O Palmeiras é considerado para muitos dos críticos esportivos como o melhor elenco atual do futebol brasileiro, porém, para o técnico Eduardo Baptista isso não será o suficiente para vencer as competições que está disputando e que ainda vai jogar, principalmente, a Libertadores.

O Verdão entra em campo novamente pela competição continental, nesta quarta-feira (12), contra o Peñarol, do Uruguai, no Allianz Parque, e precisa de muito empenho e dedicação para sair com os três pontos em disputa.

LEIA MAIS:

ALVIVERDE RENOVA COM MAIS TRÊS DESTAQUES DA BASE E DISPENSA OUTRO
VEJA QUANTO O PALESTRA GANHOU POR AVANÇAR ÀS SEMIFINAIS DO PAULISTÃO
MERCADO DA BOLA: VERDÃO CONTRATA TRÊS REVELAÇÕES DO FUTEBOL PAULISTA
DRACENA DETONA POLÊMICAS DE GABRIEL APÓS IDA AO CORINTHIANS
MERCADO DA BOLA: VERDÃO ENFIM ASSINA COM ATACANTE DE 18 ANOS DO VITÓRIA
PORTO TEM INTERESSE EM PROMESSAS DO VERDÃO E DO SÃO PAULO, DIZ JORNAL

Eu sempre falei que o Palmeiras tem muita qualidade. Mas só isso aí não vai ganhar nada, principalmente na Libertadores. Nessa competição, a qualidade vai ser um fator de desequilíbrio, se você for competitivo. Se entrar de igual para igual, correr mais que o seu adversário, brigar mais do que ele, se igualar esses quesitos, aí sim a qualidade vai fazer a diferença“, alertou o treinador do Palmeiras em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo“.

Clássicos são exemplos

O treinador do Palmeiras crê que a postura da equipe exibida nos dois clássicos que venceu neste Paulistão é a que ele pede que o time tenha também na Libertadores.

É isso que a gente trabalhado. Em alguns jogos o time já tem respondido bem. No clássico com o Santos foi assim. No momento que o Santos ficou acima, deixamos a qualidade de lado e igualamos o jogo na pegada, na força. Contra o São Paulo foi assim. O time deles vinha de um momento bom, com gols em todos os jogos, com posse de bola, então entendemos que era a hora de neutralizar o São Paulo, de marcar forte. Só quando conseguíssemos fazer isso, íamos jogar. E foi o que aconteceu. A gente tem batido nisso. Todos os dias os trabalhos são voltados para isso. A competitividade vai fazer a diferença para nós“, finalizou Baptista.