“Barbeiro” do Palmeiras atende de técnico a atletas e ganha fama com torcida

Foto: Montagem/Reprodução/Instagram

Os palmeirenses que acompanham a equipe durante os jogos, reparam que o corte de cabelo dos atletas estão sempre impecáveis e se questionam: “Quem é o cabeleireiro que faz os penteados invocados dos jogadores do Palmeiras?”.

Ricardo Belo, o barbeiro oficial do Palmeiras, é o responsável pelos cortes modernos dos jogadores do Verdão, e o profissional conversou com a reportagem do TORCEDORES.COM, e contou algumas curiosidades dos bastidores do clube, como começou na carreira e os atletas que ele atende. Dá uma olhada.

TORCEDORES.COM: Como você chegou no Palmeiras?
BELO: Eu cheguei no Palmeiras através de um assessor de imprensa, o Fábio Finelli, que trabalhava lá e me indicou. O clube estava sem barbeiro na época e ai, eu recebi uma ligação e pensei que era mentira. Mas quando eu cheguei lá no CT e vi que era verdade, fiz uma entrevista e estou lá até hoje. Confesso que a ficha demorou muito a cair, inclusive foi anos e anos para acostumar. Toda vez que eu ia no Palmeiras eu não acreditava que estava lá. Era estranho, parecia que não estava, era uma coisa gigantesca.

TORCEDORES.COM: Mas como tudo começou? Era o seu sonho em ser cabeleireiro, e um dia, trabalhar no Palmeiras?
BELO: Sou do interior da Bahia, da cidade de Ibitiara, que fica na Chapada Diamantina. Eu vim para a cidade de São Paulo, em 2000, exclusivamente para assistir um jogo do Palmeiras no Palestra Itália. Acabei assistindo Palmeiras x Juventude, pela Copa do Brasil, e foi legal. O Verdão venceu de 3 x 1, na época o Alex e o César Sampaio jogavam e eu nunca pensei em trabalhar dentro do clube.

Quando cheguei na Capital, além de assistir a partida, procurei saber como era morar aqui. Mas em nenhum momento pensei em ser cabeleireiro, nunca passou isso pela minha cabeça. E como sou uma pessoa que não estudei, não fiz faculdade, tenho pouco estudo, era uma opção que eu tinha, de fazer um curso de cabeleireiro para seguir a minha vida.

Eu entrei no Palmeiras em 2011 e só tenho a agradecer ao Palmeiras, as pessoas que trabalham lá, funcionários, diretoria, jogadores que passaram por lá. A parte mais chata no Palmeiras é quando chega no fim do ano, tem que despedir de algum atleta ou funcionário sabe? Essa é a parte mais chata, mas a gente torce para eles, seguir a vida deles e ter o sucesso que todo mundo merece.

TORCEDORES.COM: Você só corta o cabelo dos jogadores do Palmeiras? Ou de atletas de outros clubes?
BELO: No meu Instagram, como sou muito ligado ao Palmeiras, eu não divulgo os atletas de outras equipes que eu corto cabelo, eu procuro mostrar só os atletas do clube mesmo, porque você sabe como é o torcedor do Palmeiras né? Você coloca uma foto de uma pessoa que joga no rival, o cara xinga e aí é chato. Então, quando eu corto o cabelo de outro atleta não divulgo pela ligação com o Palmeiras.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O INSTAGRAM DO RICARDO BELO

TORCEDORES.COM: Aumentou o movimento do seu salão pela sua ligação com o Palmeiras?
BELO: No salão, por incrível que pareça, antes de eu trabalhar no Palmeiras, eu tinha até mais clientes, eu tinha tempo para atender no salão, praticamente sete dias corridos durante o dia todo, mas eu não me considero famoso. Mas tem sim uma ligação um pouco com a fama, por exemplo, quem faz o cabelo do Zé Roberto, da rapaziada do Palmeiras, não são todos os atletas que cortam, mas é uma porcentagem boa e satisfatória. Meu Instagram cresceu muito. Há sete meses atrás era fechado, tinha só 2 mil seguidores e depois que abri, agora tá em 28 mil.

Foto: Reprodução/Instagram

E também tem o meu jeito de ser. Sou uma pessoa mais quieta, não faço barulho, não me acho, eu nunca me achei bom, eu nunca humilhei ninguém, nunca falei mal de nenhum profissional…Então foi uma pessoa mais no meu canto, digamos que eu não vivo a fama, a fama de ser cabeleireiro do Palmeiras não contagiou a minha cabeça. Mas tem coisas que acontecem, tipo quando uma pessoa quer tirar uma foto na hora de cortar o cabelo, coisas assim.

Foto: Divulgação/Ricardo Belo

TORCEDORES.COM: E quais são os dias em que você atende o elenco? Quais são os seus clientes?
BELO: Como eu fico dois dias na academia e o restante dos dias no salão, eu vou no Palmeiras, eu vou na terça e na sexta-feira para atender os atletas, e sempre um dia antes dos jogos, que é pós-treino e concentração né?  Eu fico na concentração para os atletas que quiserem o meu trabalho.

A galera que gosta de cortar comigo é o Dudu, Vitor Hugo, Zé Roberto, Rafael Marques, Egídio, Borja, Guerra, Arouca, Fabiano, Antônio Carlos, Fernando Prass, Alecssandro, Fuzatto, Jean, Thiago Santos… É bastante atleta. Digamos que o elenco tem 36 jogadores, pelo menos uns 24 eu faço, tem a confiança no meu trabalho. Mas esse número já foi maior viu? teve alguns elencos que eu já cheguei a fazer 98% dos jogadores”.

Hoje em dia, com muita concorrência, com muito barbeiro que sonha estar onde eu estou. Às vezes os atletas que chegam de outro clube, já cortavam com outros profissionais, de qualidade, e os caras dão a vida ali no cabelo dos jogadores e acabam ficam lá mesmo. E deixo claro que não acho ruim eles procurarem outro profissional, a amizade continua a mesma, porque a minha amizade com eles não está no cabelo, está na personalidade e no gostar da pessoa. Pra mim, o cabelo é simples, é apenas um corte e a amizade é verdadeira. Eu penso nisso. Não vou ficar bravo ou chateado com isso.

TORCEDORES.COM: Você atende só os jogadores do Palmeiras?

Foto: Reprodução/Instagram

Eu não corto só dos atletas. Eu também faço o cabelo dos funcionários, o pessoal que trabalha na imprensa, o pessoal que cuida do campo, da rouparia, a comissão técnica inteira corta comigo, como o Eduardo Baptista e seus auxiliares. Muita gente. Eu já cortei o cabelo o Alexandre Mattos umas duas vezes, agora ele está com o cabelo mais comprido, e eu tô sempre cortando agora do Cícero. Do Paulo Nobre e nem do Maurício, eu nunca cortei”.

TORCEDORES.COM: E os mais vaidosos?
BELO: A maioria (sem citar nomes) é vaidosa. Os caras não podem dar um passo que tem câmera né? Como se fosse o Big Brother da vida deles. E pra imagem dele é legal, ter o corte arrumado, os cortes modernos, porque para os atletas isso é uma vitrine, muitas crianças, muitas pessoas gostariam de ter o cabelo do jogador. Mas sempre tem um mais que o outro, mas também tem uns que nem ligam, cortam depois de um mês, mas a maioria corta toda semana.

Eu, representando o TORCEDORES.COM, fui visitar o salão do Ricardo Belo, localizado na Lapa, Zona Oeste de São Paulo, conversei com o profissional e até fiz o corte de cabelo; confira

Foto: Dennys Carvalho/Torcedores.com


Dennys Carvalho é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdade Integradas Alcântara Machado) e apaixonado por esportes. Já trabalhou na Rádio Escuta/Produção da REDETV!, operador de TV de uma empresa de monitoramento de mídia e Pós-Graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte.