Como o Inter se reformulou em uma semana e mudou de patamar para pegar o Corinthians

Inter
Foto: Divulgação Inter

Contava-se nos dedos o número de jogadores colorados que, após uma pesada derrota por 2×1 para o Cruzeiro, em Bento Gonçalves, deixava de cabeça erguida o gramado do estádio Montanha dos Vinhedos. Na última rodada da primeira fase do Gauchão, o Inter voltou a jogar mal, foi envolvido pelo rival simpático de Porto Alegre e frustrou os seus torcedores, que não pensaram duas vezes antes de vaiar a equipe.

O desânimo visível estampado na cara dos atletas começou a ser contornado após uma medida extra-campo que ajudou a comissão técnica: em decorrência de um show internacional no Beira-Rio, o jogo de ida das quartas de final contra o mesmo Cruzeiro deixou de ser no sábado seguinte à derrota na rodada final do primeiro turno e passou apenas para a outra quinta-feira.

LEIA MAIS:

Em “alto nível” no Palmeiras, Prass explica insucesso no Grêmio

Valdívia frustra planos de Palmeiras e Corinthians: “Eu quero ficar no Inter”

Com mais tempo para trabalhar e corrigir erros flagrantes na equipe, o técnico Antônio Carlos Zago conseguiu recuperar jogadores, reorganizar o então descompactado setor de meio campo e se desfazer de ideias que se mostravam equivocadas, como a incerteza de Nico López no time titular. Na última quinta, um Inter bem mais encorpado foi superior os 90 minutos diante do Cruzeiro e concluiu em 3×1 a superioridade visível na ida das quartas do estadual.

Questões táticas e técnicas favorecerem uma melhor apresentação colorada: D’Alessandro voltou a atuar mais perto do ataque adversário; Carlinhos, recuperado, retornou à lateral-esquerda e devolveu Uendel ao meio de campo, fortalecendo o lado esquerdo do time; por fim, e o mais importante, Edenílson deu a intensidade que o setor de meio precisava e se mostrou uma indispensável válvula de escape pelo corredor direito.

A estrutura de equipe que deu certo na quinta-feira foi mantida para domingo, exceção feita a D’Alessandro, que acusou uma pancada no tornozelo e foi substituído por Roberson – mesmo assim, D’Ale deve estar em campo na quarta, contra o Corinthians. Em mais uma atuação segura – e, dessa vez, natural -, o Inter venceu com facilidade o Cruzeiro por 2×0 e avançou à semifinal do Gauchão para enfrentar o surpreendente Caxias.

Até a partida de quinta-feira passada contra o Cruzeiro, o Inter sobrevivia em termos de esperança aos torcedores por conta do Gre-Nal da Arena, no início de março, quando a boa atuação no empate em 2×2 passou mais pelo componente “clássico” do que propriamente por uma atuação primorosa nas partes tática e técnica. Agora, não. Em um momento onde as competições do primeiro semestre vão afunilando, já se vê uma ideia de time no Beira-Rio. E na hora certa, porque, quarta-feira, é o Corinthians que estará no Beira-Rio.



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.