Paulo Nobre quase sabotou gestão de Galiotte no Palmeiras, acusam conselheiros

Paulo Nobre Palmeiras
Crédito de imagem: Cesar Greco/ Ag. Palmeiras

Presidente do Palmeiras até o final de 2016, Paulo Nobre está, cada vez mais, perdendo influência política no clube. Nesta terça-feira, 11, o jornal Folha de São Paulo, publicou que a Chapa Academia, criada em 2012 com o objetivo de apoiar politicamente Nobre, sofreu a baixa de aproximadamente nove conselheiros, que acusam o ex-mandatário e seu grupo de apoiadores de tentarem sabotar a atual gestão de Mauricio Galiotte.

Já deixaram a chapa ou mostraram interesse de se desligar: Mauro Yazbek, Marcos Borin, Arthur Vicintin, Ennio Camarano, Davi Gueldini, Savério Orlandi, Roberto Silva, Jonas Cherubini e Wilson Nakamura.

LEIA MAIS:

EM VÍDEO, VERDÃO EXALTA O ‘ESPÍRITO DE LIBERTADORES’ E DÁ ‘RECEITA’ PARA DISPUTAR A COMPETIÇÃO; ASSISTA

FELIPE MELO REVELA SER ADMIRADO POR TORCEDORES RIVAIS: “É UMA CORNETAGEM COM CARINHO”

ALLIANZ PARQUE DIVULGA FOTOS DO NOVO GRAMADO DO ESTÁDIO; CONFIRA

SAIBA QUEM VAI APITAR O JOGO DO VERDÃO NA LIBERTADORES

“O Mustafá Contursi apoiou a gestão do Nobre do primeiro ao último dia. Hoje, eles acham um absurdo que o Maurício tenha esse apoio. A mesma coisa com a Crefisa: no período do Nobre, tudo estava em ordem, exceto pelo rompimento que o próprio Maurício contornou lá atrás. Aí [o Paulo] chegou no final da gestão e queria que o Maurício rompesse. É uma incoerência muito grande e que deixou boa parte do grupo insatisfeita”, revelou Yazkbek.

O conselheiro previu mais ‘debandadas’ da chapa, que já contou com 30 membros, e acusou o grupo político do ex-presidente.

“Pensamos primeiro no Palmeiras, e não nas pessoas. Quem pensa dessa forma [como o grupo de Nobre] pode prejudicar o clube. Atualmente, [a Academia] tem 23 [membros], sem contar a saída de cerca de dez conselheiros. A tendência é que saiam mais e a chape fique só com oito ou nove membros.”

Uma grande polêmica que envolveu os últimos atos de Paulo Nobre à frente do Palmeiras foi a candidatura de Leila Pereira,  presidente da Crefisa e da Faculdade das Américas, ao conselho deliberativo do clube. A situação foi ‘contornada’ por Galiotte e, em fevereiro de 2017, a proprietária das patrocinadoras do Verdão foi eleita com votação recorde, recebendo o apoio de 248 sócios.

“No caso da Leila, ele [Nobre] agitou e nem compareceu no dia da votação. Além disso, agora ele não comparece mais às reuniões do COF [Conselho de Orientação e Fiscalização], do qual ele é membro”, completou Yazbek.



Estudante do 8º semestre de jornalismo e amante dos esportes, principalmente o bom e velho futebol. Setorista de Atlético-MG e Futebol Feminino.