Análise: saiba como joga o Peñarol, próximo adversário do Palmeiras

Palmeiras
Foto: Divulgação Facebook Peñarol

Palmeiras x Peñarol vai agitar os gramados da América do Sul nesta quarta-feira. O confronto entre brasileiros e uruguaios já foi até final de Libertadores da América nos anos 60 e será uma das atrações da Libertadores 2017.

O Peñarol tem três pontos na Libertadores neste ano. Conquistou uma vitória contra o Atlético Tucuman e foi goleado pelo Jorge Wilstermann. O time está em terceiro do grupo. Mas como que o time uruguaio costuma jogar?

Veja também: Facebook do Allianz Parque divulga fotos do gramado

Treinado por Leonardo Ramos, os auri-negros não costumam ser uma equipe ofensiva, que “trata bem a bola”, ou que pratica um jogo vistoso. O Peñarol se destaca pela marcação e a entrega de seus jogadores. Na base da raça, o time conseguiu um empate no clássico contra o Nacional na última quarta-feira pelo Campeonato Uruguaio. Foi também na insistência que conseguiu virar sobre o Atlético Tucuman em sua casa pela Libertadores na 2ª rodada.

Apesar de não ser uma equipe que costuma atacar, briga pela posse de bola. No clássico contra o Nacional, teve 48% da bola em seus pés. Já contra o Tucuman, dividiu 50% com o time argentino. A equipe arrisca muitos lançamentos, principalmente com seus laterais Petrik pela direita e Hernandez pela esquerda, além de seus volantes Pereira e Novick.

Um dos astros da equipe é Cebola Rodríguez, ex-Grêmio e que não teve sucesso no time gaúcho. O meia divide com Hernandez as cobranças de falta. Ambos são perigosos nas cobranças. O lateral chegou a marcar um gol de falta contra o Atlético Tucuman. Cebola é um dos jogadores mais procurados pelo time para a armação de jogadas. O meia de 31 anos não dispõe de tanta energia para ajudar na marcação, mas é um dos mais técnicos jogadores do time do Peñarol.

Se quiser saber de velocidade, Ramos pode contar com o meia Nandez. O camisa 25 tem boas arrancadas e pode ser perigoso ao Palestra em contra-ataques, municiando também os atacantes Affonso e Arias.

O time varia esquemas táticos. Contra o Nacional, jogou no 4-3-3, sendo que Cebola Rodrígues em alguns momentos ficava no ataque, formando um 4-2-4. Contra o Palmeiras, o provável é que o time jogue com mais cautela, como foi contra o Tucuman, que jogou no 4-4-2, com dois volantes e dois meias. Talvez, feche mais ainda o time colocando mais um volante, como alguns adversários do Alviverde já fizeram.

Provável escalação: Guruceaga, Petryk, Ramón Arias Quintana e Hernandez; Novick, Pereira, Nandez e Cebola Rodríguez; Affonso e Jr Arias.

 



Jornalista formado pela FIAM FAAM. Apaixonado por futebol independente do país ou divisão. Setorista do Inter e esportes olímpicos. Contato: mohamed.nassif12@hotmail.com