Victor revela o que pensou antes da defesa contra o Tijuana em 2013: “F…”

Victor Atlético-MG
Reproducao: Youtube
O goleiro Victor, do Atlético-MG, concedeu entrevista ao canal humorístico Desimpedidos, no Youtube, e em um papo descontraído, o arqueiro do Galo não poderia deixar de comentar a histórica defesa com os pés nas quartas de final da Libertadores de 2013, contra o Tijuana. O pênalti marcado aos 47 minutos do 2º tempo deixou por alguns minutos o Independência em silêncio.

Victor revela o que passou pela sua cabeça ao ver o árbitro Patricio António Polic Orellana apontar para a marca da cal. “A partir do momento que o juiz apitou, eu botei a bola na cabeça e pensei f…“, disse.

LEIA MAIS:

Nepomuceno justifica viagem à Itália e fala sobre novo estádio do Atlético-MG

“Eu fui para o gol, tive uma conversa com o barbudão lá de cima e pedi para ele dar uma força (risos). Muito brincam que este foi o gol mais importante da história do Galo“, completou.

Após eliminar a equipe mexicana, o Atlético passou pelo Newell’s Old Boys, da Argentina, nas semifinais com mais uma atuação épica de Victor. Na grande decisão, derrota para o Olímpia por 2 a 0, no Paraguai. Na volta, os comandados de Cuca devolveram o placar. Na prorrogação, a igualdade levou a finalíssima para as penalidades. Novamente Victor foi o diferencial e a taça ficou em Belo Horizonte.

Depois daquele dia eu sai do estádio umas três horas da manhã, teve uma confraternização numa danceteria. Nosso ambiente era muito bom. Jogadores como o Pierre e o Junior Cesar que eram caras que traziam o astral para cima. O Ronaldo (Gaúcho) deu um show por tudo que ele já viveu, as conquistas, o dia a dia dele era exatamente como o de qualquer um“, conta Victor.

Derrota no Mundial de Clubes

Naquele mesmo ano, o Galo foi até o Marrocos disputar o Mundial de Clubes da FIFA. A expectativa era grande de realizar uma eventual final diante do poderoso Bayern de Munique, da Alemanha. No entanto, a derrota para o Raja Casablanca por 3 a 1 interrompeu o sonho mineiro. Na época, muito se falou que os jogadores entraram de”salto alto” e menosprezaram o poderio do rival marroquino.

É difícil. Talvez a gente não entrou para enfrentar o Raja com o nível de concentração e competitividade que um jogo como esse demandava. De certa forma ficamos assustados da maneira como eles entraram em campo e nos surpreenderam“, afirmou Victor.

Copa do Brasil sobre o Cruzeiro ou Libertadores?

Para alguns torcedores atleticanos, o fato de ter vencido a Copa do Brasil de 2014 sobre o seu maior rival, ganhou uma importância tão quanto a conquista do torneio sulamericano.

Não diria da talvez da mesma importância, mas próximo disso. Da forma como foi e ganhar os dois jogos”.