Eurico Miranda: “Você acha que o Andrés Sanchez está lá de graça?

Aos 69 anos, Eurico Miranda mantém os hábitos: não dispensa seus charutos cubanos e respira o dia a dia da política do Vasco. Ele é candidato à presidência do clube na eleição prevista para agosto. Nesta entrevista, concedida em seu escritório, no centro do Rio, uma das figuras mais polêmicas do futebol brasileiro nas últimas décadas ataca outros dirigentes, como o ex-presidente do Corinthians Andrés Sanchez, e até o técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari.

Por que o senhor quer voltar a ser presidente do Vasco?
EURICO –
 É mais que uma missão. Pela absoluta necessidade de ter que resgatar o Vasco. Duas vezes na Segunda Divisão (do Brasileiro) é a degradação total. Há um problema de representatividade do Vasco, da imagem, (o clube) passou a ser tratado como de segunda classe.

A primeira queda estava encaminhada quando o senhor ainda era presidente…
EURICO –
 Encaminhada? Deixei o Vasco em oitavo lugar na competição, ‘pô.’ Estava encaminhada pra cima ou pra baixo? Não ‘tô’ entendendo.

Essa foi a alegação do atual presidente, Roberto Dinamite, na época (com relação a dívidas, atraso nos pagamentos)…
EURICO –
 Não tem alegação. Ele trocou tudo, as pessoas que estavam no futebol. Pior. Faltavam cinco ou seis rodadas para terminar o campeonato, parecia que irremediavelmente o Vasco estava condenado, e eu ofereci ajuda. Disse que comigo o Vasco não cairia. Mas eu precisava ter plenos poderes para assumir. E ele não. Querem imputar a mim? Só faltava essa.

Nunca mais cogitou em voltar para a CBF?
EURICO –
 Eu fui pra CBF atendendo a um pedido claro. O João Havelange (ex-presidente da Fifa) me fez um apelo patético, pra que eu fosse ajudar o Ricardo Teixeira (então eleito), que estava iniciando e eu fui.

Quem aprendeu mais no convívio entre os dois? Ricardo Teixeira com Eurico ou Eurico…
EURICO –
 Eu aprendi? Eu? Que pergunta é essa que você fez? Eu aprendi? Eu discordei do Ricardo Teixeira permanentemente. Eu não aprendi nada. Eu tenho as minhas dúvidas se, quando eu fui pra lá, o Ricardo sabia que no futebol tinham 11 de cada lado. Sinceramente. Agora, mexer com coisas internacionais, coisa e tal, nisso aí ele se tornou especialista.

Como interpretou a renúncia de Ricardo Teixeira da CBF em 2012?

EURICO – Renúncia entre aspas. Ele saiu e continua mandando.

eurico-miranda-exclusiva-vasco-wilton-junior-estadao-292

Qual sua posição com relação ao atual presidente da CBF, José Maria Marin, e a Marco Polo Del Nero, que deve ser o sucessor dele?
EURICO –
 Se o Ricardo Teixeira continua mandando, eu sou contra. Sou contra por que as coisas se repetem, são as mesmas. A CBF está muito bem, os clubes muito mal. A CBF só existe porque tem os clubes que botam os jogadores na CBF. E a CBF tem os maiores patrocínios. A CBF tira o jogador, faz um amistoso (da seleção) com valores estratosféricos e o clube não recebe um centavo.

Como presidente do Vasco, o senhor lutaria pela criação de uma liga independente de clubes?
EURICO –
 Por que liga? Independente da CBF pra quê? Não é isso. Eles detonaram o Clube dos Treze, que era importante pra discutir comercialmente, todo mundo sabe que uma negociação coletiva é muito mais difícil que uma negociação individual. Fizeram isso pra favorecer um ou outro. Distorceram o futebol. Hoje, você caminha para uma espanholização do futebol brasileiro. Querem transformar dois clubes, como Barcelona e Real Madrid, e deixar os outros como coadjuvantes. Querem fazer de Flamengo e Corinthians esses dois clubes. Há um processo de elitização do futebol brasileiro. CBF, clubes, mídia e outros interessados. Tem altos interesses por trás. Você acha que eu posso concordar que o Corinthians seja beneficiado com R$ 500 milhões do BNDES? E os outros? Ah, por que uma figura do governo deu. Você acha que o Andrés Sanchez está lá, que diz que é pai, avô, filho, não sei mais o que lá do Itaquerão … você acha que ele está lá de graça? Por que eles não venderam até agora aqueles naming rights? Pergunta quem vai ganhar com os naming rights?

Quem vai ganhar?
EURICO –
 Não sei. Apure, você tem obrigação. Eu ‘tô’ dizendo.

Apoiaria uma eventual candidatura de Andrés Sanchez à presidência da CBF?
EURICO –
 Mandei você apurar a questão dos naming rights.

Veja a entrevista completa no Estadão



Redação do Torcedores.com