Pensar nos próprios erros vale mais a pena

Com a derrota do São Paulo para o Ituano e o empate corintiano frente à Penapolense, se confirmou a ausência, na fase eliminatória, do time que mais vezes ganhou o Paulistão.

Com isso, não adiantará nada culpar o rival por uma suposta “entrega ” do resultado ou algo do tipo. O Corinthians tem que olhar para os próprios erros, cometidos principalmente na montagem do elenco e na escolha das peças para compôr a equipe titular.

No começo do campeonato, após a saída de Paulo André, Mano demorou muito tempo para perceber que Felipe não tinha condições de formar a dupla de zaga com Gil. As explicações para manter o zagueiro no time eram inúmeras.”Isso pode causar uma insegurança geral no grupo, todos terão medo de errar, pois se fizerem uma vez saberão que serão sacados da equipe.” Essa era uma das justificativas do comandante alvinegro, até o momento que viu que era necessária a entrada de Cléber. Só que já era tarde. O Timão já havia perdido pontos preciosos contra o Palmeiras, por exemplo. Nesta partida, Felipe falhou na marcação de Kardec. O matador palestrino não perdoou e garantiu o empate. Dois pontos fundamentais perdidos ali.

Mirim-Corinthians-Romarinho-Eduardo-LANCEPress_LANIMA20140209_0217_30

Além disso, o Corinthians tem sério problemas do meio pra frente. Romarinho e Luciano são muito inconstantes. Renato Augusto, jogador mais técnico do elenco, não consegue ter regularidade. Emerson e Danilo já parecem desgastados e não tem o mesmo apoio do técnico como tinham na era Tite. E Guerreiro tem convivido bastante com as lesões esta temporada, além claro, da seca de gols. Desse modo, fica bem nítida a necessidade de  reforçar o elenco.

Mas algo pode servir de consolo para os torcedores corintianos. Em sua primeira passagem pelo clube, Menezes passou por situação semelhante a que vive agora. Não conseguiu se classificar para as semifinais do Paulistão de 2008. Meses depois, Mano e seus comandados seriam campeões da Serie B e trariam o Timão de volta à elite do futebol brasileiro. No ano seguinte, com a ajuda de Ronaldo Fenômeno, ainda faturou o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil .

Os fãs do técnico esperam que a história se repita. Contudo, para isso, será preciso foco e muito trabalho se quiser permanecer no alvinegro, pois outro fracasso pode lhe custar o cargo de treinador. Criticar a atuação do rival em nada adiantará para que a situação mude.



Sou estudante de jornalismo e um apaixonado por futebol. Campeonatos europeus e o brasileiro são os que mais me agradam.