Opinião: Declarações de Kalil prejudicam o Atlético-MG

Getty Images

A recente troca de farpas entre o presidente do Atlético-MG Alexandre Kalil e a direção de futebol do Corinthians ganha novos capítulos a cada dia. Tudo isso porque o clube o paulista demonstrou interesse na contratação do atacante Diego Tardelli e o mandatário atleticano menosprezou o interesse de forma desrespeitosa e vexatória.

Essa não é a primeira vez que o dirigente mineiro rouba os holofotes com suas declarações, no mínimo, polêmicas. Kalil é um sujeito exótico: anuncia a contratação de jogadores pelo Twitter, dá declarações que, se não causam risos, constrangem e não foge de uma boa discussão se achar que continua com a razão sobre algum assunto.

DESTAQUE: Mercado: Corinthians, Santos e Grêmio travam batalha silenciosa por atacante do Flu

Nenhuma dessas características, porém, é a que melhor o define. Antes tudo, o presidente do Galo é, de fato, um sujeito que confia no próprio taco. O problema é que seu excesso de confiança o torna uma pessoa difícil de lidar. Os recentes desaforos ao Corinthians foram apenas mais um episódio da saga do empresário no comando do Atlético-MG.

Se Kalil não está interessado em negociar o jogador, que rejeite a proposta educadamente e mantenha laços cordiais com o clube interessado, seja ele o Corinthians, São Paulo, Internacional e, até mesmo, o Cruzeiro. O mundo, assim como a bola, gira. E, se hoje é clube paulista que está interessado em um atleta atleticano, amanhã poderá ser o próprio Kalil o dirigente interessado em um atacante de um clube rival. A bola rola e o mundo gira, seu presidente.



É universitário apaixonado por jornalismo e caiçara na selva de pedras. Fã de Orwell, Cobain e Al Pacino, admira um bom rock’n’roll e não vive longe de uma cerveja gelada (e de qualidade!). É repórter e já produziu matérias para UOL, Terra, Revista Locaweb e outras publicações.