Opinião: Thomaz Bellucci vive seu melhor momento na carreira

Thomaz Bellucci
Vipcomm

Há pouco mais de um mês, o brasileiro fã de tênis não tinha muitos motivos para comemorar. Talvez aquele pensamento no catarinense Gustavo Kuerten, o Guga, voltasse à tona, dando aquela saudade dos bons tempos de um atleta brasileiro no circuito mundial.

LEIA MAIS
Federer é campeão na Basileia e conquista seu 82º título na carreira
Bellucci perde em Valência e encerra temporada

Qualquer resultados positivo que um atleta brasileiro conquista nos últimos campeonatos, acaba nos trazendo esperanças de reviver os momentos áureos do tênis nacional novamente.

E é nesse contexto que se encaixa o canhoto do Tiete, Thomaz Bellucci, melhor brasileiro no ranking da ATP.

O fã de tênis pode questionar argumentando que um mês atrás, Bellucci era apenas “noventa e pouco” do mundo. Mas de lá para cá aconteceram várias coisas positivas. Dentre elas, é claro, a histórica vitória de Thomaz na Copa Davis, e também a ótima sequência de outros torneios que o brasileiro obteve bons resultados – no último deles, chegando às quartas de final do ATP 500 de Valência, caindo diante do anfitrião David Ferrer.

Hoje, Bellucci já aparece no top 50 do ranking, mais precisamente na 43º posição, Porém, não é neste ponto que quero chegar – já que em julho de 2010 ele alcançou a 21º posição, sua melhor até hoje – mas que mesmo com essa posição no ranking, Thomaz Bellucci, a 32 dias de completar 27 anos, vive o melhor momento de sua carreira.

Se você pensar em um jogador de tênis completo, automaticamente ele tem que se encaixar em três características principais: ter um bom físico, ser mentalmente forte – já que o esporte exige muito isso do atleta- e por último ter um bom jogo com golpes sólidos.

O motivo para eu afirmar que Bellucci vive seu melhor momento na carreira, é porque pela primeira vez ele está conseguindo apresentar essas três características ao mesmo tempo.

O aspecto mental sempre foi o que mais pesou no jogo para o canhoto, já que possui bons golpes e consegue jogar de igual para igual com qualquer outro tenista, apesar de às vezes o físico em jogos de 5 sets deixar a desejar.

Com a chegada do preparador físico André Cunha, sua evolução física melhorou notoriamente, conseguindo assim se manter firme nos sets finais de jogo, e consequentemente tendo que lutar apenas contra o seu adversário para vencer a partida. Aliado a isso, o mental já fica menos sobrecarregado e aquele sentimento de desconfiança se inverte e traz tranquilidade para o tenista se concentrar apenas em seu jogo, tendo o foco apenas na partida. Isso o ajudou muito.

O jogo de fundo de quadra nunca foi preocupação para o brasileiro. Neste quesito ele está cada vez melhor, em especial seu saque, que melhorou muito de um tempo para cá.

Bellucci tem tudo para começar 2015 apresentando seu melhor tênis na carreira, dando esperanças a nós brasileiros fãs do esporte.

No tênis sempre ocorrem zebras, um Grand Slam embora não seja impossível, é bem mais difícil de se vencer, mas um Masters 1000 parece não estar tão longe igual imaginávamos.

Só nos resta esperar…e torcer.

Foto: Getty Images



Estudante de jornalismo, apaixonado por esportes, em especial o futebol. Escreve atualmente para o torcedores.com e teve passagem pelo futebolsc.com. Contato: victorcampanelli1@gmail.com