Portuguesa vai do céu ao inferno em 11 meses; Veja motivos da queda para a Série C

A Portuguesa teve os piores 11 meses da sua quase centenária história e o inferno vivido pelo clube paulista culminou com o rebaixamento para a Série C do Campeonato Brasileiro, confirmado na última terça-feira com a derrota para o Oeste por 3 a 0.

Se no dia 8 de dezembro de 2013 o clima era de festa no Canindé com a permanência no campo na Série A, o dia 29 de outubro é de tristeza e resignação, porque, mesmo que inconscientemente, o anúncio do STJD de que a escalação irregular de Heverton tiraria quatro pontos do clube e o levaria à segunda divisão praticamente definiu que 2014 seria um ano complicado para a simpática equipe.

LEIA MAIS
Portuguesa (1920-2014): uma história vítima de incompetentes
Veja as melhores histórias dos bastidores contadas por ex-boleiros
Após cair duas vezes como jogador, Rivaldo dirigente leva Mogi para a Série B

Segundo documento divulgado pelo ESPN.com.br, o rebaixamento no tribunal fez com que R$ 30 milhões deixassem de entrar nos cofres da Lusa. Este é o primeiro, e principal, motivo do rebaixamento.

Sem a verba, a diretoria de Ilídio Lico não conseguiu formar uma equipe forte para voltar à elite e muito menos manter os atletas que estavam no clube. Assim, 2014 foi marcado por salários atrasados, greve de funcionários e até ameaça de falência atrapalharam os planos.

A falta de planejamento, influenciada pelo caixa vazio, também é outro motivo da queda inédita à Série C. Guto Ferreira, Argel, Marcelo Veiga, Silas, Vagner Benazzi e Zé Augusto sentaram no banco de reservas. Nenhum dos seis treinadores conseguiu colocar o time nos trilhos. Na Série B, foram apenas três vitórias em 33 jogos, com mais 12 empates e 18 derrotas.

Além disso, enquanto aguardada uma reviravolta na justiça – o que não aconteceu – a diretoria desperdiçou tempo pensando na Série A ao invés de montar um time para a Série B.

O terceiro motivo é a falta de apoio da já pequena torcida. O clube nunca contou com as arquibancadas cheias, mas desanimada com o rebaixamento no tapetão, o público foi ainda menor. Apenas 453 testemunhas presenciaram a derrota para o Icasa, por 2 a 1, por exemplo.

Resta agora o clube rubro-verde juntar os cacos, aceitar a nova realidade e tentar voltar para onde foi tirado pelo STJD.



Editor senior do Torcedores.com, o jornalista formou-se na Universidade Metodista em 2009 e passou pelas redações do Diário do Grande ABC, Agora SP, UOL e Fox Sports, onde fez a cobertura da Copa do Mundo de 2014. Está no Torcedores desde outubro de 2014.