10 motivos comprovam: o futebol dos anos 1990 era muito melhor

Não é uma questão de saudosismo. O futebol brasileiro hoje é muito mais chato do que o praticado e visto nos anos 1990. Neste texto, darei 10 motivos pelos quais acredito nisso. Não deixo de admitir que nosso esporte atualmente tem um calendário mais organizado, porém longe do ideal, o Brasileirão é menos sujeito à imoralidade das viradas de mesa, e os clubes recebem mais dinheiro com patrocínios e venda dos direitos de televisão.

LEIA MAIS
10 coisas que só quem jogou futebol no Super Nintendo sabe

Mas a questão que interessa ao torcedor é realmente a prática e a vivência do futebol. O torcedor quer quer a década de 2010 tenha mais momentos como os vistos na semifinal da Copa do Brasil, tanto no duelo entre Santos e Cruzeiro, como no jogo entre Atlético-MG e Flamengo.

O futebol precisa voltar a despertar emoções no torcedor. Momentos que ficam marcados na história. Quem ficará mais na memória afetiva do fã desse esporte, o papelão do STJD, Portuguesa e CBF no Caso Héverton, ou os quatro gols que antes pareciam impossíveis marcados pelo Galo para chegar à final da Copa do Brasil?

Por isso eu acho que os anos 1990 eram muito melhores, por termos momentos como esses em maior quantidade. E por vários outros motivos. Confira abaixo:

1) Mais finais emocionantes

Estaduais muito mais valorizados, Brasileirão em mata-mata, Copa do Brasil com finais inesquecíveis. Hoje a emoção não acabou, mas a oferta está muito reduzida se comparada ao que tínhamos nos anos 1990.

2) Menos “mimimi” com competições simultâneas

O calendário do futebol hoje é terrível e isso atrapalha os elencos ao longo do ano? Sim. Mas, nos anos 1990, isso era muito pior. O Palmeiras chegou a fazer mais de 90 jogos no ano 2000. No ano anterior, disputou várias competições ao mesmo tempo, inclusive a Libertadores. Se hoje quem joga essa competição prioriza e volta todas as suas atenções a ela, o Verdão naquele ano foi campeão continental, vice do Paulista, vice da Mercosul, vice mundial e chegou à semifinal da Copa do Brasil. Nos últimos anos, o Cruzeiro é o único que parece levar todas as competições tão a sério no mesmo ano.

3) Mais opções na televisão

O futebol dos anos 1990 passava no SBT, Band, Globo, Record, Manchete e até, durante um tempo, na extinta Rede OM. Hoje, na TV aberta, é restrito a Globo, Band e RedeTV!. Quem quiser mais opções deve pagar por isso. Aí, sim, aparecem os inúmeros canais fechados.

4) Melhor nível

camisas

Mesmo com o forte êxodo vivido pelo futebol brasileiro naquela época, a qualidade dos jogadores em geral era melhor do que vemos atualmente. O Brasileirão está completamente nivelado por baixo, e isso se nota na briga acirrada contra o rebaixamento, que envolve quase a metade dos clubes participantes a seis rodadas do fim. Além disso, nossos representantes no Mundial Interclubes jogavam de igual para igual contra os europeus. Hoje eles dão vexame na competição. Mesmo que naquela época ainda não existisse a participação de times de outros continentes, é impensável ver o São Paulo de 1992 perdendo para um Mazembe.

5) Dava gosto torcer pela seleção brasileira

Montagem com fotos Getty Images
Montagem com fotos Getty Images

Nos anos 1990, a seleção teve “só” Romário, Bebeto, Ronaldo, Rivaldo, Roberto Carlos, Taffarel, Dida, Marcos. Agora, é Neymardependente. Quem vai curar isso?

6) Não havia a modinha europeia

Getty Images
Getty Images

Eu gosto muito do futebol europeu, acompanho a Liga dos Campeões, mas é inegável que é preciso ter paciência para aguentar a modinha dos clubes europeus. Gente “fanática” por Barcelona, Milan, Real Madrid. Clubes que só viram pela televisão e poucos privilegiados têm a oportunidade de conhecer ao vivo. Prefiro o tempo que o nosso time do coração era aquele do domingo à tarde no estádio.

7) Ter um jogador convocado pela seleção era motivo de orgulho

1994 WORLD CUP FINAL

“Ão, ão, ão, Fulano é seleção”. Esse grito era muito ouvido nas arquibancadas até os anos 1990. Havia uma sensação de orgulho quando o clube do coração fornecia seu craque para a seleção brasileira. Isso hoje é encarado de forma negativa. A maior parte da culpa é da CBF, que faz um calendário que provoca desfalques nos clubes quando um atleta é chamado pelo treinador da seleção. Aí o torcedor, que vê seu time prejudicado na fase decisiva de uma competição importante, acaba se virando contra a equipe nacional.

8) Dezembro era mês de decisão

Créditos: Placar/Abril
Créditos: Placar/Abril

Nada como o fim do ano recheado com uma rivalidade. Nos anos 1990, enquanto as pessoas se preparavam para as férias e Festas, o Brasileirão tinha sempre a final marcada para o mês de dezembro. Hoje, esse mês só tem alguma final emocionante se a disputa pelo título nacional se arrastar até a última rodada. Não deve ser o caso em 2014, com a boa vantagem do Cruzeiro na liderança. Outra chance é haver um brasileiro na final da Copa Sul-Americana, ou no Mundial de Clubes da Fifa. Esse ano é o São Paulo quem está com a responsabilidade de salvar o último mês do ano.

9) Ingresso era mais barato

Não precisa nem de muita explicação, não é mesmo? A menos que você goste de pagar 100 reais para ver um grande jogo de sábado da Série A do Brasileirão.

10) Havia menos frescura de modo geral

cachorro

Se nos anos 1990 alguém ameaçasse punir um clube porque um cachorro invadiu o campo, como aconteceu com o Corinthians no último sábado (1), contra o Coritiba, com certeza essa pessoa seria ignorada, de tão tosca que é essa ideia.

 



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Repórter e apresentador da TV Torcedores. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016.