Atlético-MG perde mais uma, mas ainda fica perto do G-4

Atlético-MG

Ele, que já havia sido derrotado seis vezes na Arena da Baixada, foi derrotado a sétima. Neste domingo, assim como em muitos outros domingos, quartas ou quintas-feiras, o Atlético-MG não conseguiu superar o “irmão” paranaense e saiu de campo zerado.

LEIA MAIS
Confira a classificação do Campeonato Brasileiro
Palmeiras vence, quebra tabu e afunda o Bahia; assista ao gol

Pelos números ao longo da história, o resultado não foi surpreendente. Porém, pelo modo como saiu o gol da derrota, sim. Logo no primeiro minuto de jogo, o Furacão foi pra cima sem piedade e, após rebote de um cruzamento, Paulinho Dias acertou chute de primeira que desviou em Edcarlos e “matou” Giovanni na jogada.

Dali para a frente só deu o rubro-negro, que pressionou até o último suspiro do primeiro tempo e não conseguiu traduzir a superioridade em gols. No segundo tempo, porém, como por castigo aos donos da casa, só deu Galo.

Mais insinuante e envolvente, praticando melhor o seu futebol, o Atlético-MG tratou de demonstrar o porquê de ocupar o G-4 e ser, desde o ano passado, um dos times mais interessantes de se ver em campo.

Logo nos primeiros minutos da segunda etapa, Jô, que havia sido especulado entre os titulares desde o início de jogo, substituiu Maicosuel e, repetindo a dupla vitoriosa da Libertadores, fez com Tardelli que o torcedor do Furacão sofresse.

Entretanto, apesar do ânimo, faltou gás, e já na metade do segundo tempo o rendimento foi caindo, até estagnar no marasmo total. Não sei se por uma cautela exagerada, visando o mata-mata da próxima quarta, ou se por receio de sofrer mais gols e perder o jogo de vez, mas o Galo simplesmente diminuiu o ritmo e esperou um gol cair do céu.

Obviamente nada caiu e o 1 a 0 perdurou até o apito final. Se bem que, pensando bem, algo caiu sim: o Galo do G-4. Agora sua vaga é ocupada pelo Fluminense, com os mesmos 54 pontos dele. Do Grêmio. E do Corinthians.

Entre mortos e feridos, estão todos salvos na Cidade do Galo. Só resta saber até quando.

Foto: Getty Images



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...